sexta-feira, 1 de julho de 2011

Porque os EUA são tão ricos?

Um marxista ou um desenvolvimentista responderiam prontamente: porque eles exploraram exaustivamente outros países e hoje utilizam seu poderio político/econômico/militar para continuar impondo seus interesses ao mundo.
Um economista de doutrina utilitarista, mais esperto que seus amigos de esquerda, responderia algo como: pq eles sempre tiveram instituições sólidas que protegiam a propriedade privada e adotaram o livre mercado como polític econômica.

Vejam o trecho abaixo, retirado do livro de macroeconomia do Mankiw, e tirem suas próprias conclusões:

Alexander Hamilton Versus Time Inconsistency

Time inconsistency has long been a problem associated with discretionary policy. In fact, it was one of the first problems that confronted Alexander Hamilton when President George Washington appointed him the first U.S. Secretary of the Treasury in 1789. Hamilton faced the question of how to deal with the debts that the new nation had accumulated as it fought for its independence from Britain.When the revolutionary government incurred the debts, it promised to honor them when the war was over.But after the war,many Americans advocated defaulting on the debt because repaying the creditors would require taxation, which is always costly and unpopular.
Hamilton opposed the time-inconsistency policy of repudiating the debt. He knew that the nation would likely need to borrow again sometime in the future. In his First Report on the Public Credit,which he presented to Congress in 1790, he wrote
"If the maintenance of public credit, then, be truly so important, the next inquiry which suggests itself is: By what means is it to be effected? The ready answer to which question is, by good faith; by a punctual performance of contracts. States, like individuals, who observe their engagements are respected and trusted, while the reverse is the fate of those who pursue an opposite conduct."
Thus,Hamilton proposed that the nation make a commitment to the policy rule of honoring its debts. The policy rule that Hamilton originally proposed has continued for more than two centuries. Today, unlike in Hamilton’ s time, when Congress debates spending riorities, no one seriously proposes defaulting on the public debt as a way to reduce taxes. In the case of public debt, everyone now agrees that the government should be committed to a fixed policy rule.


É impressionante alguém naquela época tamanho entendimento sobre o papel do Estado na economia. Se tivessemos mais de governantes assim e menos de Dilma, Mantega e José Dirceu, estariamos em muito melhor situação.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

HAYEK X KEYNES: ROUND 2.



Fight of the Century” Lyrics.

Written by John Papola and Russ Roberts

KEYNES

Here we are… peace out! great recession
thanks to me, as you see, we’re not in a depression
Recovery, destiny if you follow my lesson
Lord Keynes, here I come, line up for the procession

HAYEK
We brought out the shovels and we’re still in a ditch…
And still digging. don’t you think that it’s time for a switch…
From that hair of the dog. Friend, the party is over.
The long run is here. It’s time to get sober!

KEYNES
Are you kidding? my cure works perfectly fine…
have a look, the great recession ended back in ’09.
I deserve credit. Things would have been worse
All the estimates prove it—I’ll quote chapter and verse

HAYEK
Econometricians, they’re ever so pious
Are they doing real science or confirming their bias?
Their “Keynesian” models are tidy and neat
But that top down approach is a fatal conceit

REFRAIN
Which way should we choose?
more bottom up or more top down
…the fight continues…
Keynes and Hayek’s second round

it’s time to weigh in…
more from the top or from the ground
…lets listen to the greats
Keynes and Hayek throwing down

KEYNES
We could have done better, had we only spent more
Too bad that only happens when there’s a World War
You can carp all you want about stats and regression
Do you deny World War II cut short the Depression?

HAYEK
Wow. One data point and you’re jumping for joy
the Last time I checked, wars only destroy
There was no multiplier, consumption just shrank
As we used scarce resources for every new tank

Pretty perverse to call that prosperity
Rationed meat, Rationed butter… a life of austerity
When that war spending ended your friends cried disaster
yet the economy thrived and grew faster

KEYNES
You too only see what you want to see
The spending on war clearly goosed GDP
Unemployment was over, almost down to zero
That’s why I’m the master, that’s why I’m the hero

HAYEK
Creating employment’s a straightforward craft
When the nation’s at war, and there’s a draft
If every worker was staffed in the army and fleet
We’d have full employment and nothing to eat

REFRAIN REPEATS

HAYEK
jobs are a means, not the ends in themselves
people work to live better, to put food on the shelves
real growth means production of what people demand
That’s entrepreneurship not your central plan

KEYNES
My solution is simple and easy to handle..
its spending that matters, why’s that such a scandal?
The money sloshes through the pipes and the sluices
revitalizing the economy’s juices

it’s just like an engine that’s stalled and gone dark
To bring it to life, we need a quick spark
Spending’s the life blood that gets the flow going
Where it goes doesn’t matter, just get spending flowing

HAYEK
You see slack in some sectors as a “general glut”
But some sectors are healthy, only some in a rut
So spending’s not free – that’s the heart of the matter
too much is wasted as cronies get fatter.

The economy’s not a car, there’s no engine to stall
no expert can fix it, there’s no “it” at all.
The economy’s us, we don’t need a mechanic
Put away the wrenches, the economy’s organic

REFRAIN REPEATS

KEYNES
so what would you do to help those unemployed?
this is the question you seem to avoid
when we’re in a mess, would you just have us wait?
Doing nothing until markets equilibrate?

HAYEK
I don’t want to do nothing, there’s plenty to do
The question I ponder is who plans for whom?
Do I plan for myself or leave it to you?
I want plans by the many, not by the few.

Let’s not repeat what created our troubles
I want real growth not a series of bubbles
Stop bailing out loser, let prices work
If we don’t try to steer them they won’t go berserk

KEYNES
Come on, Are you kidding? Don’t Wall Street’s gyrations
Challenge your world view of self-regulation?
Even you must admit that the lesson we’ve learned
Is more oversight’s needed or else we’ll get burned

HAYEK
Oversight? The government’s long been in bed
With those Wall Street execs and the firms that they’ve bled
Capitalism’s about profit and loss
you bail out the losers there’s no end to the cost

the lesson I’ve learned? It’s how little we know,
the world is complex, not some circular flow
the economy’s not a class you can master in college
to think otherwise is the pretense of knowledge

REFRAIN REPEATS

KEYNES
You get on your high horse and you’re off to the races
I look at the world on a case by case basis
When people are suffering I roll up my sleeves
And do what I can to cure our disease

The future’s uncertain, our outlooks are frail
Thats why free markets are so prone to fail
In a volatile world we need more discretion
So state intervention can counter depression

HAYEK
People aren’t chessmen you move on a board
at your whim–their dreams and desires ignored
With political incentives, discretion’s a joke
Those dials you’re twisting… just mirrors and smoke

We need stable rules and real market prices
so prosperity emerges and cuts short the crisis
give us a chance so we can discover
the most valuable ways to serve one another

FINAL REFRAIN
Which way should we choose?
more bottom up or more top down
the fight continues…
Keynes and Hayek’s second round

it’s time to weigh in…
more from the top or from the ground
…lets listen to the greats
Keynes and Hayek throwing down

quarta-feira, 30 de março de 2011

Are we all keynesians now?

Confesso que postar aqui no blog tem sido uma tarefa que eu não tenho dedicado quase nenhum tempo, mas algumas coisas imploram para serem comentadas. O artigo abaixo foi publicado no Valor dia 22/02. Leiam atentamente:

Se todos são keynesianos, o que Keynes diria a Dilma? Por Fernando Ferrari Filho e Marco Flávio Resende


"A crise financeira internacional e seus desdobramentos sobre o lado real das economias, em especial em 2009, em termos de recessão, desemprego e desaquecimento do volume de comércio, acabaram originando um consenso entre economistas acadêmicos, analistas econômicos e "policymakers", qual seja, todos passaram a ser "keynesianos" - cabe ressaltar que, infelizmente, a maioria deles tão somente por oportunismo - tanto para explicar a referida crise quando para remediá-la. "

Se acreditar que intervenções governamentais e do banco central tem o poder de influenciar a economia significa ser keynesiano, até eu seria um. A diferença está em acreditar qual é o resultado disso. Eu definiria um verdadeiro keynesiano da seguinte forma: alguém que acredita que os formuladores de politica econômica são deuses na terra, isto é, são completamente racionais e detêm toda a informação necessária sobre todos os setores da economia e, assim, sabem exatamente quanto dinheiro precisa ser investido em cada projeto, em cada setor, tem uma capacidade de cognição infinita que os permite coordenar todos os projetos simultaneamente e o pior, o keynesiano é convicto que os formuladores são isentos de qualquer propensão à corrupção e incapazes se utilizar as ferramentas que possuem para garantir popularidade e ganhar a próxima eleição (qualquer semelhança com os argumentos de Hazlitt não é nem de longe mera coincidência). O engraçado é que estes economistas pregam a intervenção do Estado por acreditar que os seres humanos não são racionais e enfrentam incertezas, mas e as pessoas que assumem cargos políticos e de planejamento, seriam estes os únicos humanos da terra que são racionais e isentos de incerteza? Os autores também se esquecem de que a crise foi causada por excesso de keynesianismo: excessiva regulação de má qualidade do mercado financeiro e banco central abrindo as pernas durante mais de uma década. Olhando para os países que estão em pior situação vemos que a maioria adotou politicas de gastança excessiva e despreocupada, ou seja, de cunho keynesiano (Portugal, Espanha, Grécia, EUA). Países com politicas mais austeras (Alemanha, Holanda, Dinamarca, Suíça) estão em muito melhor forma. Será coincidência?


“No Brasil, não foi diferente. Apesar de as autoridades econômicas terem, em um primeiro momento, subestimado os impactos da crise financeira internacional sobre a economia brasileira, as políticas monetária e fiscal contracíclicas, de cunho keynesianas, implementadas pelas autoridades econômicas foram fundamentais para que o país saísse da recessão e voltasse a crescer de forma pujante e até surpreendente - segundo estimativas preliminares, em 2010 o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter crescido ao redor de 7,5% -, por mais que o cenário internacional ainda seja de turbulência.”

O Brasil não afetado justamente por ter adotado medidas ortodoxas. Os pilares da nossa economia [metas de inflação, cambio flutuante e superávit (mesmo roubado por “contabilidade criativa”)] deram estabilidade macroeconômica ao país. Mais, tínhamos uma reserva de dólares que nos protegeu de ataques especulativos, reserva essa que para muitos, eu incluso, é muito maior do que precisamos. Vale lembrar que não é raro ver essas medidas sendo criticadas por economistas keynesianos, estes que também sempre que podem criticam o banco central por sua politica de juros. Ainda tem mais, o Brasil foi pouco afetado por vários motivos: nosso sistema financeiro dificulta transações com ativos estrangeiros do tipo das hipotecas americanas, o que impediu que volume de ativos podres em mãos de brasileiros fosse significante; o real se desvalorizou devido à corrida ao dólar na época do pânico, fomentando as exportações e equilibrando, um pouco, a queda da demanda externa causada pela queda da renda nos países desenvolvidos; talvez o mais importante, um dos nossos principais importadores (China) continuou forte; nossas principais importações (comodidities) tem baixa elasticidade renda da demanda (caso comum para os alimentos, onde o Brasil é um dos mais exportadores e onde somos realmente bons). Obviamente, a atuação da politica monetária e fiscal teve impactos positivos no curto prazo, no longo prazo a descoordenação causada por tais intervenção ainda pode causar problemas (descompassos entre oferta e demanda de certos bens, como na indústria de automotiva, por exemplo), mas os autores negligenciam os outros fatores citados acima, muito dos quais eles constantemente criticam.


“A "bola da vez" continua sendo a crise fiscal-financeira dos Piigs, acrônimo para Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha.”

Países que praticaram expansões fiscais, excesso de gastos do governo, gigantescos resgates a bancos e empresas privadas incompetentes. Isso soa como keynesianismo para alguém além de mim?


“Se nossa atividade econômica apresenta um resultado exuberante, pelo menos no curto prazo, voltamos a enfrentar "velhos" problemas do período da prosperidade, dentre os quais a tendência à apreciação cambial, cujos efeitos são a deterioração da balança comercial e o processo de desindustrialização, e o viés do Banco Central (BC), receoso do "descontrole" da inflação, em querer subordinar a política fiscal ao regime monetário, que acabam impondo limitações para que a economia brasileira tenha estabilidade macroeconômica intertemporal (crescimento econômico robusto, inflação sob controle e equilíbrios fiscal e externo).”

Os keynesianos insistem que o BACEN é capturado pelo sistema financeiro e como tal, pratica juros muito maiores do que o necessário. Pensam dessa forma porque não veem como a taxa de juros está ligada com disponibilidade de recursos não consumidos (poupados). Eles acreditam que é possível o governo aumentar gastos, as famílias aumentar o consumo, o setor aumentar investimento tudo de uma vez, sem que haja nenhuma pressão inflacionária. Mais, eles querem, juntamente com tudo isso, que o cambio seja desvalorizado para ajudar nossa indústria incompetente. A inflação para estes economistas nada mais é do que uma invenção do sistema financeiro (analistas consultados pelo banco central) para que o BC aumente o juros e faça a festa dos banqueiros. Nesse ponto está a maior besteira do keynesianismo, o tal do investimento autonômo guiado pelo animal spirits. Segundo essa tese, gastos com investimentos não são inflacionário por estes são auto-financiáveis, isto é, o próprio investimento cria os recursos necessários para seu financiamento. Qualquer pessoa, mesmo um não economista, com um pouco de lógica na cabeça sabe que isso não pode estar certo. O investimento só aumenta a capacidade produtiva quando ele está pronto, até lá, o investimento é a mesma coisa que consumo. Uma hidrelétrica só aumenta a capacidade produtiva da economia quando está pronta e funcionando, antes disso, é necessário pagar por todos os insumos utilizados na produção e para tanto é necessário que haja recursos disponíveis, isto é, precisamos de poupança real. Se o investimento fosse realmente autonômo ou auto-financiável como os keynesianos acreditam, não haveria países pobres no mundo, pois é só imprimir moeda para iniciar os investimentos para que haja demanda e produção aumente. Senhores keynesianos, todo poder de demanda vem de uma oferta a priori, o crédito nada mais é do que o direito de usar a produção não consumida de terceiros. Crédito não é confiança! Não se constrói uma estrada com confiança. Para não ser inflacionário, o crédito PRECISA ser lastreado em poupança real. Nosso ministro da fazenda também acredita que investimento não pressiona inflação
.
"Segundo ele, ainda deve haver um novo repasse do Tesouro ao BNDES em 2012, mas em um patamar menor, "tendendo a zero". Mantega também rechaçou qualquer ligação entre os recursos disponibilizados pelo banco de fomento e o aumento da inflação. "O BNDES não pressiona a inflação, uma vez que investimento permite maior oferta de produtos na economia. O problema inflacionário é do lado do consumo e não do investimento", alegou."
O investimento precisa de poupança, não que ambos seja iguais, mas o investimento não pode ser maior do que a poupança interna e externa(depende da vontade dos estrangeiros emprestarem para o Brasil). Vale lembrar também que no caso em que usamos a poupança externa estamos importando os recursos, é uma identidade. Voltando ao texto do valor.

“Para evitar os erros do passado, câmbio administrado e controle dos fluxos de capitais são imprescindíveis.”

Tivemos exatamente isso na década de 1980, foi um dos maiores erros cometidos no Brasil.


“Nesse particular, sendo todos "keynesianos" e supondo que fosse possível psicografar Keynes, quais medidas econômicas o "mestre" sugeriria para a presidente Dilma Rousseff? Centrando as atenções em algumas das proposições de política macroeconômica apresentadas por Keynes ao longo de seus escritos, reunidos nos 30 volumes dos "Collected Writings of John Maynard Keynes", publicado pela Royal Economic Society, ele proporia maior coordenação das políticas fiscal, monetária e cambial, seja para resolver "os principais problemas da sociedade econômica em que nós (Brasil, inclusive) vivemos, que são o desemprego e a arbitrária e desigual distribuição da renda e da riqueza" (John Maynard Keynes. "The General Theory, of Employment, Interest and Money". New York, HBJ Book, 1964, p.372), seja para solucionar o desequilíbrio e a vulnerabilidade externa brasileiras.”

Eu não disse que os keynesianos acreditam que são deuses? Acham que são capazes de coordenar perfeitamente todas as atividades econômicas de modo a atingir objetivos específicos. Sem contar no viés sraffiano de achar que a distribuição de renda é arbitrária, que a distribuição da renda é determinada inteiramente por fatores políticos. Tal determinação política da distribuição da renda é o que explica a curva de lucro-salário sinuosa apresenta por Sraffa que causou tanta discussão na década de setenta.


“Para tanto, Keynes proporia: 1) Política fiscal ancorada tanto na administração de gastos públicos - algo completamente diverso de déficit público - quanto na política de tributação. No que diz respeito à administração dos gastos públicos, deveria haver dois orçamentos: o corrente, para assegurar recursos à manutenção dos serviços básicos fornecidos pelo Estado à população, tais como saúde pública, educação e segurança pública, e o de capital, em que o Estado realizaria investimentos públicos complementares aos investimentos privados e fundamentais para a expansão da demanda efetiva. A ideia de Keynes com os referidos orçamentos é a de que, em períodos de prosperidade, o gasto público deve ser reduzido, ao passo que, em períodos recessivos, ele deve ser elevado. Assim, a política fiscal torna-se contracíclica e assegura o equilíbrio fiscal intertemporal do governo. A política de tributação, por sua vez, deveria concentrar-se essencialmente nos impostos sobre a renda, o capital e a herança, viabilizando, assim, uma melhora da distribuição da renda e da riqueza. Pois bem, a partir da proposição fiscal de cunho keynesiana e observando a situação fiscal brasileira dos últimos anos, percebe-se que a reduzida taxa do investimento público e a elevada carga tributária indicam que o ajuste fiscal deve se concentrar nos gastos de custeio e na racionalização do gasto público;

2) Flexibilização da política monetária para dinamizar os níveis de consumo e investimento e afetar a preferência pela liquidez dos agentes econômicos. No caso do Brasil, acrescente-se que a redução da taxa básica de juros (Selic) é fundamental para arrefecer o custo de rolagem da dívida pública;

3) Política cambial para assegurar a manutenção da taxa real efetiva de câmbio de equilíbrio e não gerar pressões inflacionárias. A taxa real efetiva de câmbio estável é fundamental pois, diante de um contexto em que a liquidez internacional continua muito elevada em função das políticas adotadas nos países centrais para superar a crise, as taxas de juros internacionais estão baixas e o crescimento dos países centrais está relativamente estagnado, as elevadas taxas de crescimento de economias emergentes (e, no caso do Brasil, também de juros) ensejam grande influxo de capitais que, por sua vez, acabam provocando a apreciação da taxa de câmbio (em especial do real). Como sabemos, essa experiência foi vivida pelo Brasil em passado recente: devido à elevada liquidez internacional o câmbio apreciou-se, o déficit em transações correntes tornou-se crescente e os superávits da conta de capital e financeira e do balanço de pagamentos elevaram-se, criando, assim, a pseudo-impressão de que esses resultados decorriam da robustez da economia. Contudo, quando a liquidez internacional foi arrefecida, o racionamento dos fluxos de capitais para a economia brasileira tornou-se uma realidade e a crise cambial se instalou, em grande parte recrudescida pela abertura financeira. Portanto, para evitarmos os erros do passado decorrentes dos desequilíbrios externos da economia brasileira, câmbio administrado e regulação e/ou controle dos fluxos de capitais são imprescindíveis.”

Para esse trecho vou emprestar as palavras do “O” Anônimo, blogueiro do “Mão Visível”, pois ele explicou o funcionamento básico da macroeconomia de um jeito que eu nunca conseguiria fazer:
“Em sua essência, pós-keynesiano é um economista que não desenvolveu as capacidades cognitivas ou analíticas para raciocinar em equilíbrio geral.

Por exemplo, escreve o Professor Marco Resende da UFMG:
“Embora esteja disseminada na literatura econômica do maistream e nos meios de comunicação a idéia de que a poupança é um pré-requisito para o investimento, este argumento não é consensual na literatura.”

Somente um pós-keynesiano engajaria nessa discussão sobre quem vem primeiro, o investimento ou a poupança. Este diálogo não passa de uma manifestação de um vazio cognitivo onde deveria haver um feixe de neurônios gritando: “Tal pergunta não faz sentido, afinal investimento e poupança são determinados simultaneamente!”

O investimento e a poupança, assim como o desemprego, a taxa de câmbio real, o nível de preços, o nível de atividade econômica, o balanço em conta corrente, entre outras, são variáveis endógenas, isto é, são determinadas simultaneamente dentro do sistema econômico (em equilíbrio geral). Quem é incapaz de entender este conceito, não é um economista de verdade e tem mais que tirar carteirinha da AKB...

Em um sistema macroeconômico, além dessas variáveis endógenas, existem também variáveis de política, como a taxa nominal de juros (SELIC), as alíquotas dos impostos, as reservas compulsórias dos bancos, a estratégia financeira do setor público, o salário mínimo nominal, a taxa de câmbio em que o governo compra ou vende moeda estrangeira quando o câmbio é fixo, a alíquota do IOF etc; e variáveis exógenas, como o preço do frete marinho, a política fiscal chinesa, os choques climáticos como o El Niño e todas as ações que podemos acreditar que não sejam influenciadas pelo que ocorre no Brasil (o que vai fazer o Bank of England amanhã?).”


Apesar de a descrição ser especifica para o pós-keynesiano, acho que podemos generalizar para os keynesianismo em geral (exceção feita para os economistas novo-keynesianos que incorporaram a noção de equilíbrio geral à sua teoria). Enfim, os autores acham que é possível combinar qualquer nível de gasto do governo, taxa de juros, taxa de cambio, inflação e todas as variáveis na canetada! Isto é, os formuladores podem manipular todas as variáveis relevantes de acordo com sua vontade, não veem que essas variáveis são determinadas simultaneamente e que certos equilíbrios são simplesmente impossíveis de serem atingidos. De forma resumida, a economia não é joguinho onde você muda as configurações que deseja para conseguir vencer, certos objetivos requerem escolhas duras.

sábado, 26 de março de 2011

Hayek X Keynes.

Muitas pessoas pensam que o trabalho genial do ECONSTORIES.TV se limita ao famoso vídeo do debate entre Keynes e Hayek. Estou postando os outros aqui.














No ínicio, haveriam também 3 vídeos sobre o lado keynesiano da história. Mas o primeiro, "it's all about spending", é tudo que o próprio Keynes teria a dizer.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Hayek: o bestseller sobre marxismo.

Um dos blogueiros do Marginal Revolution chamou a atenção para esse fato interessante. Advinhe qual é o livro bestseller sobre o marxismo no AMAZON.

quinta-feira, 3 de março de 2011

quarta-feira, 2 de março de 2011

Keynes: uma mente confusa.

Todo mundo sabe que o livro mais importante do Keynes é muito mal escrito, mal organizado e extremamente confuso na definição dos conceitos. Até mesmo famosos economistas keynesianos como o Samuelson e o Hicks reconhecem que a A Teoria Geral não é um livro fácil de ser lido e entendido. Pois bem, quando no primeiro ano de graduação em economia, eu li tal livro. Li a versão da coleção Os Economistas, mas confesso que não entendi muito bem, pensei que era porque estava apenas começando o curso e não entendia muito de economia para ler um livro tão influente no pensamento econômico. Enfim, estou lendo novamente, uma versão em inglês, e agora vejo que o livro é realmente muito tosco. Keynes tem extrema dificuldade em raciocinar logicamente e seus argumentos são fracos e falhos. Vou compartilhar neste blog algumas atrocidades cometidas pelo grande Lorde Keynes em seu livro. Vou começar pela incapacidade do último grande economista inglês em definir conceitos.
Rothbard disse que o grande mérito de Keynes não foi criar algo novo, mas sim dar nova cara e uma aparente lógica econômica para idéias antigas, muitas das quais de caráter mercantilista, inflacionário e até mesmo marxista. A essência da crítica de Keynes à economia clássica está em sua débil refutação do que é conhecido na economia como Lei de Say. Resumindo, nem tudo que é poupado é investido porque em uma economia monetária os agentes vêem a moeda como um ativo de seu portfólio devido à sua função de reserva de valor. Desta forma, a preferência pela liquidez que os agentes possuem faz com que a moeda seja retida como forma de riqueza e o valor dessa propriedade da moeda aumenta em ambientes de incerteza, pois esta não probabilística e toda aquela besteira que conhecemos muito dos nossos amigos keynesianos. Dentro deste framework é fácil de entender porque a receita dos keynesianos para os problemas econômicos é sempre aumentar o consumo e o investimento, o governo tem que agir de forma a criar novas oportunidades de investimento para incitar o “animal spirit” dos empreendedores e assim também elevar o investimento privado. A poupança na mente keynesiana é sempre vista como algo ruim, algo que deve ser evitado. Pois bem, vejam a definição do próprio Keynes sobre o que é poupança e o que é investimento:

No capitulo 6,

“Whilst, therefore, the amount of saving is an outcome of the collective behaviour of individual consumers and the amount of investment of the collective behaviour of individual entrepreneurs, these two amounts are necessarily equal, since each of them is equal to the excess of income over consumption. Moreover, this conclusion in no way depends on any subtleties or peculiarities in the definition of income given above. Provided it is agreed that income is equal to the value of current output, that current investment is equal to the value of that part of current output which is not consumed, and that saving is equal to the excess of income over consumption—all of which is conformable both to common sense and to the traditional usage of the great majority of economists—the equality of saving and investment necessarily follows. In short,
Income = value of output = consumption + investment.
Saving = income − consumption.
Therefore:
saving = investment. “

Ou seja, o próprio grande Keynes define poupança e investimento de uma forma em que não são apenas iguais em valor, mas são necessariamente a mesma coisa. No começo do capitulo 7 ele reconhece isso:
“In the previous chapter saving and investment have been so defined that they are necessarily equal in amount, being, for the community as a whole, merely different aspects of the same thing.”

É engraçado ver o quão confusa é a mente do Keynes. Como a poupança pode ser ruim e o investimento pode ser bom se os dois são necessariamente iguais em valor e aspectos diferentes da mesma coisa? O triste é ver que os herdeiros de Keynes sofrem da mesma falta de lógica e coerência e ainda assim estão presentes na formulação das políticas econômicas.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Krugman sobre Friedman.

O Krugman vem batendo muito na tecla de que o Friedman seria a favor do QE2 se estivesse vivo. Eu duvido muito disso por dois motivos:
1º- Friedman sabia muito bem que as políticas econômicas enfrentavam hiatos de tempo desde quando o problema é percebido, a decisão é tomada e os efeitos desta se manifestarem. Assim, Friedman sabia que o fine tunning é uma falácia, ou seja, é impossível controlar perfeitamente os efeitos das decisões tomadas. Caso a inflação se tornar forte, pode não ser possível tomar controle. Friedman não apoiaria tal medida discricionária.
2º Friedman somente enfatizou tanto o papel do enxugamento monetário grande depressão porque houve cartelização dos salários (as empresas não poderiam reduzir os salários, mas com isso ganhariam monopólios do governo, primeiro no governo Houve e depois com o New Deal do keynesiano Roosevelt). O controle dos salários e o enxugamento monetário fizeram com o salário real aumentasse demais levando ao desemprego e conseqüentemente à queda de produtividade, enfim, à depressão. Além disso, a própria decisão de enxugar a oferta de moeda é uma medida discricionária que o Friedman via com tanto perigo, assim, ao criticar o FED por ter feito o q fez não significa que o Friedman gostaria de ligar as impressoras do FED no máximo, significa apenas que o banco central americano não deveria ter tomado tal atitude e, talvez no máximo, significa que a oferta deveria ter aumentado um pouco para evitar o brutal aumento do salário real ocorrido na época.

UPDATE: Para quem saber mais sobre o papel do controle dos salários na grande depressão eu recomendo a leitura de dois artigos:

http://ideas.repec.org/p/nbr/nberwo/15258.html

http://ideas.repec.org/p/fip/fedmwp/597.html