terça-feira, 30 de novembro de 2010

Here's Why the Fed Plan Is Failing: We’re All Austrians Now - CNBC

Here's Why the Fed Plan Is Failing: We’re All Austrians Now - CNBC

By: John Carney
Senior Editor, CNBC.com

It’s no accident that Austrian economics is newly popular. It provides the best explanation for the business cycle we just lived through. But the resurgent popularity of Austrian economics may actually be hampering the ability of the Federal Reserve to reflate the economy with low interest rate policies. Businesses, now aware of the dangers of a low inflation- sparked economic bubble, may simply be refusing to fall for the age-old boom-bust trap.

The Austrian theory of business cycles is rather straightforward:

1) In a market economy, lower interest rates are a sign that more wealth is available in society for new business projects. Either society is more wealthy—and therefore saving more without lowering spending—or its members are saving more—delaying current consumption in favor of future consumption, and incidentally providing loanable funds for projects that will be sold for future consumption.

2) In either case, the low interest rates are a sign of additional savings—and therefore a sign that more money will be available for future consumption. Businessmen respond to this by starting or expanding business lines aimed at future consumption—that is, projects that take time and larger amounts of money to complete.

3) Many of the projects seem profitable only because low interest rates make them cheap to fund and the assumption of future consumer spending out of increased savings promises demand for their products. For businesses, this is a kind of paradise: they get to borrow cheaply and sell to wealthier people in the future.

4) Low interest rate-fueled business expansion spreads through the economy. The cost of labor and materials goes up, which provides people with more money to spend or save. Retail businesses expand as well as the higher-order long-term manufacturing, investment and research & design projects. This creates what looks like a benign cycle: expansion fueling expansion.

5) When the low interest rates are caused by central bank intervention, however, this paradise turns out to be an illusion. The wealth that would have led to future spending does not actually exist—because the low interest rates aren’t caused by an increase in the amount of savings. Because we already know the interest rates weren’t caused an increase in the savings rates, it’s fair to assume that the additional wealth created during the boom mostly went to spending rather than increased savings. (Indeed, savings might actually have decreased as people anticipating future wealth rationally spend more now because they perceive less need for savings to finance future spending.)

6) As it is revealed that savings-fueled demand is lower than expected, many of the projects go bust. Investments in them need to be liquidated, some at a total loss. The investments in those long term projects now look like irresponsible speculation on an assumption of future growth. The Austrians call them “malinvestments.”

7) The liquidation of those malinvestments means the loss of value in the resources those investments would have used, including the loss of jobs in those businesses. This spreads the “bust” from the original speculative areas to cover the economy—in a reverse of the boom cycle.

8) A side note here: It’s sometimes asked why a consumer boom doesn’t follow a long-term project bust. After all, if the problem was an assumption by businesses of increased savings, shouldn’t learning the reality that people weren’t saving cause the retail sector to boom? Unfortunately, this doesn’t happen. In fact, the reverse is usually the case. The reason is straight-forward: the mistake wasn’t underestimating spending, it was overestimating savings. What’s more, the liquidation of malinvestments causes unemployment, often triggering consumers to start saving more and spending less.

9) The economy develops what looks like an output gap. It is producing far less than it once did and employment is at a far lower level. This is mainly because part of the old output was geared toward future consumption that is now understood to be impossible. The output gap is just a shadow of the old, unsustainable boom.

Okay. Let me say that this is a slightly modified version of the Austrian theory of business cycles. It’s been modified mostly to take out the shibboleths of Austrian economics—the kind of private language that people who have read a lot of Ludwig Von Mises use to talk to each other. No doubt they’ll strenuously object to one part of another of my description of what they like to call the ABC—Austrian Business Cycle.

Students of ABC will notice that I left out one crucial aspect of the Austrian theory of business cycles here: I didn’t mention the role of the central bank in sparking the bust by raising interest rates. Typically, Austrians say that the central bank inevitably raises interest rates to ward off inflation. But I don’t think any raising of interest rates is necessary to begin the bust cycle—all that is necessary is for the future spending to be lower than it was expected to be. (I think this explains the housing bust, for instance.)

The strongest critique of the Austrian theory of business cycles has always been that it makes businessmen out to be a bit foolish. Why are they always getting tricked by the low interest rates of central banks into making unsustainable investments? Wouldn’t a smart businessman take advantage of low rates to make investments that could withstand inevitable rate raises?

There are lots of possible responses to this. The Austrian economists have offered plenty, including the fact that low interest rates create a kind of calculational chaos that makes if very hard to figure out which projects are sustainable and which are too risky.

One of the favored responses, however, has just been that businessmen did not understand the business cycle very well. After all, Austrian economics has long been regarded as outside the realm of mainstream economics. Many MBA’s probably have nothing but a vague sense of the Austrian business cycle theory. So the reason businesses didn’t anticipate and respond to the boom-bust cycle is that they didn’t know much about it. Their errors were based in ignorance.

A conspiracy theorist might point out that this ignorance served the purposes of central bankers very well. It made it possible for central bankers to use interest rates to manipulate the economy. They could lower interest rates and count on businessmen to respond as they expected—by starting and expanding business lines.

This brings me around to my point today. I think that we may have entered a new era.

We may all be Austrians now.

Not since the New Deal has Austrian economics enjoyed the political popularity it does now. Austrian economists are awfully popular with the Republican Party, especially its Tea Party wing. Peter Schiff, the Austrian economics-inflected investment advisor, is a very popular guest on business television. Tom Woods' book “Meltdown”—which provided an Austrian economics explanation for the financial crisis—was a best seller. Congressman Ron Paul and Senator-elect Rand Paul are both devotees.

Perhaps more importantly, there has been widespread blame assigned to Alan Greenspan’s Federal Reserve for initiating the housing bubble with its low interest rate policies. I cannot remember when the last time was that there was widespread public appreciation of the role of central banks in causing the boom-bust cycle.

Top that off with the very public criticism of Ben Bernanke’s zero-interest rate plus quantitative easing policy. While much of this is centered on the dangers of inflation, it has also given rise to fears of “bubbles” in various assets.

All of which points to me to the possibility that Austrian business cycle theory has gone mainstream. I think it is very likely that businessmen are finally waking up to the dangers of malinvestment—and avoiding some of the errors that the critics of ABC theory always thought they should.

If I’m right about this, it could mean that Ben Bernanke’s plans to push along the recovery through further easing could be stymied—or at least delayed. I’m not sure how long business will be able to hold out against the lure of low interest rates—especially as investors push banks and businesses to put the money on their balance sheets to work. But the downturn could last much longer than history would suggest.

Don’t get me wrong. I don’t think the Fed has totally lost its power to create mischief for the economy. If the power of central bankers to manipulate businesses through lower interest rates was diminished, the economy would be far healthier. But interest rate manipulation still will be a source of calculational chaos that will make business planning more difficult and likely lead to clustered economic errors.

But as long as our Austrian moment lasts, we might be headed to a healthier—if slower—recovery than we would have had if Bernanke could get his way.

sábado, 20 de novembro de 2010

Mais sobre o quantitative easing.

O QE2 continua incitando polêmicas. Vejam a opinião de Paul Keynes Krugman que, como todos os keynesianos e todos aqueles que esperam o Papai Noel colocar presentes na árvore de natal, acredita em milagres. Aqui está a opinião de Bill Shughart, alguem que entende que o governo não pode acabar com os custos de decisões erradas, que pode, no máximo, transferi-los.
UPDATE: Bill Shughart de novo.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Celso Ming e o padrão ouro.

Confesso que fiquei muito decepcionado com o Celso Ming, muito lamentável sua opinião sobre o padrão ouro. Alguns comentários:

O padrão ouro desmilinguiu-se em 1971 quando os Estados Unidos não conseguiram mais garantir a conversibilidade do dólar em ouro, na proporção de US$ 35 por onça-troy (31,1 gramas).
Claro que não. Depois de imprimir tanta moeda, o padrão ouro poderia ter sido mantido se permitissem a queda do valor do dólar em relação ao ouro.

A proposta de Zoellick certamente não pressupõe o atrelamento das moedas mais importantes ao ouro, porque não há ouro em volume suficiente para dar conta disso. O maior economista do século 20, John Maynard Keynes, já tinha feito as contas e chegara à conclusão que todo o ouro do mundo nos anos 40 cabia num navio.
Como assim não há ouro suficiente. É claro que o valor em dólares do ouro não seria o mesmo. Se antes havia 100 kilos de ouro para 100 dólares, cada kilo custava um dólar. Se hoje há os mesmos 100 kilos de ouro e 1000 dólares, então cada kilo custará 10 dólares. Não é a quantidade de ouro que tem q se adequar. Esse argumento foi tosco em Ming!

Se voltasse a ser adotado, provavelmente provocaria instabilidade muito maior do que a de agora. Se não por outra coisa, isso aconteceria porque, até mesmo antes de sua volta, as pessoas perguntariam quanto tempo uma velharia dessas conseguiria se mantiver em pé.
É engraçado ver que na história, sempre que as pessoas foram livres para escolher sua moeda, elas escolheram o ouro e/ou a prata. É engraçado ver também porque tem tanta gente comprando ouro hj, será q é porque eles confiam no ouro como forma de riqueza?

Depois vou melhorar esse post!.

Krugman, padrão ouro e deflação.

Krugmam perde ótimas chances de ficar calado. Como todos os keynesianos, Paul Krugmam acredita cegamente que todos os problemas do mundo podem ser resolvidos com o governo gastando - como um loco sem preocupar de onde vem o dinheiro e no que está gastando - e apertando o botão do dinheiro no banco central. Einstein já dizia que fazer a mesma coisa todas às vezes e esperar resultados diferentes é, no mínimo, loucura. Talvez, como apenas um graduando em economia, seja eu o retardado. O que o FED está fazendo é fixar preços, os preços precisam cair, é isso que o mercado está dizendo. O problema não são as tendências deflacionárias atuais, o problema é que os preços de alguns ativos subiram demais sem qualquer fundamento real. Se o FED continuar a fazer o que está fazendo, o mercado forçara um nivelamento dos preços relativos, isto é, ao invés dos preços dos ativos podres caírem, todos os outros preços vão subir, ou seja, pode acontecer uma inflação massiva. Todo mundo sabe que a moeda é uma representação das riquezas, mas há alguns imbecis que acreditam que criar moeda é criar riqueza. Não há esta besteira de poças de liquidez, isso não passa da inflação monetária criada pelo FED. Neste artigo, Krugmam usa a mesma ladainha do Keynes sobre o padrão ouro, o chama de relíquia Barbara e afirma que isto não resolveria nenhum problema. Se o problema que ele acredita existir é a deflação, então não resolve mesmo. O problema é q a farra monetária do FED e a atuação imbecil do governo norte-americano incentivando o crédito barato, levaram a investimentos errados que só se justificavam com os incentivos artificiais. Uma vez que esses incentivos implodiram, a bolha estourou e mercado pressionou por uma queda dos preços destes ativos podres. Uma lição importante que aprendi no meu curso de introdução à economia, foi que fixar preços nunca é uma boa escolha, o mercado sempre vence e as conseqüências podem ser mais catastróficas. Outra lição importante que aprendi é que não há almoço de graça na economia, não há milagres como os keynesianos acreditam. O melhor que o governo norte-americano tem a fazer é ficar fora do caminho, diminuir gastos fortemente, diminuir impostos e diminuir a regulação para que o produto norte-americano recupere sua competividade. O FED deveria parar de tentar fixar preços, principalmente o preço dos juros. Outra coisa que tem me irritado profundamente é a imbecilidade de tentar resolver o problema da competitividade desvalorizando a moeda. As pessoas pensam que moeda valorizada é ruim, mas é justamente o contrário. Desvalorizar a moeda traz inflação e piora a situação de todos aqueles que não exportam. A melhor maneira de resolver o problema da competividade é melhorar a produtividade, diminuir impostos, regulações excessivas e corrupção.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A evolução do gasto. Por Fábio Giambiagi.

Inicio hoje um conjunto de artigos sobre o gasto público, com foco na despesa primária (ou seja, exceto os juros) da União. Não vou tratar do gasto com juros, por duas razões. A primeira é porque ele não é uma escolha do Tesouro: este pode decidir gastar menos no ministério A e mais no B, mas não pode optar por gastar tantos bilhões de reais a menos com juros, para utilizar esses recursos em algum programa, pois simplesmente não é assim que funciona a política monetária. E a segunda é porque dediquei um artigo bastante detalhado a esse tema há pouco tempo.

Por que o gasto primário é relevante? Pelos seguintes motivos:


1) Dívida pública. A trajetória do gasto público é chave na determinação da relação dívida/PIB. Depois desse coeficiente ter caído entre 2002 e 2008, voltou a aumentar em 2009 e é importante retomar a trajetória de queda, de 2010 em diante;

A despesa primária do governo central aumentou de 14% do PIB em 1991 para 23% do PIB em 2010

2) Inflação. No Brasil, depois do Plano Real, o peso da política anti-inflacionária descansou predominantemente na política monetária, com as consequências negativas já conhecidas. A responsabilidade relativa entre os juros e o resultado primário na preservação da inflação na meta deve ser rebalanceada, para não sobrecarregar o esforço do Banco Central;

3) Investimento. A formação bruta de capital (FBK) é igual à poupança total - doméstica e externa. O Brasil tinha uma FBK de 18% do PIB em 1995, no começo do Plano Real e o número deve ser novamente da ordem de 18% do PIB em 2010. Em 15 anos, não avançamos nada nesse quesito, fundamental para o crescimento do país. Para aumentar a taxa de investimento, precisamos elevar a poupança doméstica e, para tal, um melhor controle da trajetória e da composição do gasto são fundamentais; e

4) Setor externo. A poupança externa é o resultado em conta corrente com sinal trocado. O Brasil tinha equilíbrio externo antes da estabilização de 1994. Nos primeiros anos desta até 1999, forjou-se um desequilíbrio (déficit em conta corrente, ou poupança externa) que alcançou quase 5% do PIB. Depois, anos de ajuste fizeram que em 2004 o Brasil alcançasse um superávit em conta corrente de mais de 1% do PIB. Agora, em 2010, podemos ter novamente um déficit externo da ordem de 2 % a 3 % do PIB. É recomendável que o país não abuse desse expediente, que tantos traumas causou no passado quando o financiamento externo era interrompido por alguma crise. Para não depender desses recursos, será preciso aumentar a poupança doméstica, o que novamente nos remete à importância do incremento da poupança pública.

O que mostram os dados? Eles indicam que a despesa primária do governo central - incluindo as transferências a Estados e Municípios - aumentou de 14% do PIB em 1991 para uma estimativa de 23% do PIB em 2010: um incremento de 9% do PIB, sendo que sabemos que o investimento federal era de 1% do PIB há 20 anos e terá um peso de magnitude similar em 2010. Ou seja, toda a variação do gasto foi de despesas correntes. O total, expresso como proporção do PIB, aumentou em cada um dos governos. Ele passou de 14% do PIB em 1991 - primeiro ano para o qual tais estatísticas estão disponíveis - para 17% do PIB em 1994, 18% em 1998, 20% em 2002, 21% em 2006 e uma estimativa de 23% em 2010. A contrapartida da estagnação histórica do investimento, no contexto da expansão da carga tributária, foi o avanço do gasto corrente. E, se quisermos aumentar o investimento, será preciso conter esse processo.

O aumento da variável gasto/PIB foi praticamente ininterrupto. Cedeu apenas em 1995, por conta da distorção associada ao fato de que o PIB da série revista do IBGE, 10% maior que a série original, se iniciou apenas naquele ano; em anos de ajuste - 1996, após o susto fiscal de 1995; 1999 e 2003; e, marginalmente, em 2008, quando o PIB teve uma forte expansão. Nos demais anos, houve só crescimento do coeficiente. Ao todo, assumindo para 2010 um crescimento real do gasto de 9,5 % e do PIB de 7,5 %, em 19 anos teremos tido uma variação real do gasto primário de 5,9% a.a., contra um crescimento do PIB de 3,1% a.a. O gasto cresceu quase duas vezes o crescimento do PIB! Pode-se alegar que, se o PIB tivesse crescido mais, esse aumento do coeficiente poderia não ter ocorrido. O problema é que entre 2003 e 2010 o PIB terá crescido a uma média maior, de 4,4% a.a. e, mesmo assim, a despesa primária subiu 4% do PIB!

Em nossos próximos encontros mensais, irei abordar com maiores detalhes cada um dos ingredientes dessa conta. O objetivo é que, ao final, o leitor interessado conheça um pouco mais nossas finanças públicas. Caberá ao leitor depois avaliar se atingi o meu propósito.


Fabio Giambiagi, economista, é co-organizador do livro "Finanças públicas - Teoria e prática no Brasil" (Ed. Campus). Escreve mensalmente às segundas-feiras.

E-mail: fgiambia@terra.com.br.

Fonte: Valor, 08/11/2010

sábado, 6 de novembro de 2010

Abaixo-assinado contra a volta da CPMF.

Estava na cara que a primeira coisa que a Dilma iria fazer se ganhasse a eleição seria reviver a CPMF. Eu sou contra não apenas por ser mais um imposto sobre o já tão sobrecarregado brasileiro, mas também porque se trata do pior tipo de imposto possível. Essa contribuição provisória de 100 anos é cumulativa e incide sobre toda a cadeia produtiva. Cada vez que uma conta é movimentada, 0,38% do valor vai direto para conta do tesouro nacional. Pois bem, peço aos meus três leitores que, por favor, colaborem nos esforços para impedir que essa porcaria retorne. ASSINE AQUI.