quarta-feira, 16 de junho de 2010

Krugman de novo.

Fiz um post esses dias atrás sobre o Paul Krugmam. Minha critica foi contra o discurso dele de que as consolidações fiscais sempre trazem recessão e desemprego. Coloquei alguns exemplos de contrações fiscais expansionistas e expansões fiscais contracionistas e deixei claro que não há concenso na literatura, isto é, existem condições que prevalecem efeitos keynesianos (multiplicadores maiores que 1) ou fracamente keynesiano (multiplicadores entre 0 e 1) e situações onde prevalecem efeitos nulos (multiplicadores nulo) ou efeitos não-keynesianos (multiplicadores negaivos).
Pois bem, parece que alguem fez a mesma critica e o Krugman fez um post meio que se retrando. Para quem está familiarizado com o nobelista de 2008 sabe que seu jeito de se retratar é bem peculiar.

"So yes, you can boost your economy with fiscal austerity, as long as you also devalue your currency and sharply reduce interest rates; also, incantations will destroy a flock of sheep, if administered with a sufficient portion of arsenic."

Não somente nessas condições é possivel acontecer um ajuste fiscal expansionista. Outra situação ocorre quando há um aumento da renda disponível decorrente dos menores impostos futuros, mesmo que o cambio permaneça constante e a taxa de juros também, se os impostos cortados forem distorcivos, é possível haver um boom decorrente da consolidação fiscal.
Além do fato de ser extramamente difícil identificar quando efeitos keynesianos prevalecerão, há outras complicações relacionadas com o tempo. Quanto tempo até que as medidas façam efeito?? Por quanto tempo terão efeito sobre a economia?? Quais serão as condições econômicas quando e durante o tempo em que as medidas estarão fazendo efeito??

É um assunto muito complicado....

Nenhum comentário:

Postar um comentário