quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

A falácia keynesiana.

Henry Hazlitt foi um brilhante economista da escola austríaca e produziu muita coisa de qualidade. Neste momento, eu estou terminando de ler um de seus livros, "The Failure of the New Economics: An Analysis of the Keynesian Fallacies", e achei um trecho que resume muito bem a essência da falácia do pensamento keynesiano:

"... Keynes beliviesthat there exists a class of people (perhaps economists very much resembling Lord Keynes) who are completely informed, rational, balanced, wise, who have means of knowing at all times exactly how much investment is needed and in exactly what amounts it should be allocated to exactly which industries and projects, and that these managers are above corruption and above any interest in the outcome of the next election".

Eu tenho o pdf deste livro, quem quiser uma cópia me mande um email: flavio_progmetal@hotmail.com

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Here's Why the Fed Plan Is Failing: We’re All Austrians Now - CNBC

Here's Why the Fed Plan Is Failing: We’re All Austrians Now - CNBC

By: John Carney
Senior Editor, CNBC.com

It’s no accident that Austrian economics is newly popular. It provides the best explanation for the business cycle we just lived through. But the resurgent popularity of Austrian economics may actually be hampering the ability of the Federal Reserve to reflate the economy with low interest rate policies. Businesses, now aware of the dangers of a low inflation- sparked economic bubble, may simply be refusing to fall for the age-old boom-bust trap.

The Austrian theory of business cycles is rather straightforward:

1) In a market economy, lower interest rates are a sign that more wealth is available in society for new business projects. Either society is more wealthy—and therefore saving more without lowering spending—or its members are saving more—delaying current consumption in favor of future consumption, and incidentally providing loanable funds for projects that will be sold for future consumption.

2) In either case, the low interest rates are a sign of additional savings—and therefore a sign that more money will be available for future consumption. Businessmen respond to this by starting or expanding business lines aimed at future consumption—that is, projects that take time and larger amounts of money to complete.

3) Many of the projects seem profitable only because low interest rates make them cheap to fund and the assumption of future consumer spending out of increased savings promises demand for their products. For businesses, this is a kind of paradise: they get to borrow cheaply and sell to wealthier people in the future.

4) Low interest rate-fueled business expansion spreads through the economy. The cost of labor and materials goes up, which provides people with more money to spend or save. Retail businesses expand as well as the higher-order long-term manufacturing, investment and research & design projects. This creates what looks like a benign cycle: expansion fueling expansion.

5) When the low interest rates are caused by central bank intervention, however, this paradise turns out to be an illusion. The wealth that would have led to future spending does not actually exist—because the low interest rates aren’t caused by an increase in the amount of savings. Because we already know the interest rates weren’t caused an increase in the savings rates, it’s fair to assume that the additional wealth created during the boom mostly went to spending rather than increased savings. (Indeed, savings might actually have decreased as people anticipating future wealth rationally spend more now because they perceive less need for savings to finance future spending.)

6) As it is revealed that savings-fueled demand is lower than expected, many of the projects go bust. Investments in them need to be liquidated, some at a total loss. The investments in those long term projects now look like irresponsible speculation on an assumption of future growth. The Austrians call them “malinvestments.”

7) The liquidation of those malinvestments means the loss of value in the resources those investments would have used, including the loss of jobs in those businesses. This spreads the “bust” from the original speculative areas to cover the economy—in a reverse of the boom cycle.

8) A side note here: It’s sometimes asked why a consumer boom doesn’t follow a long-term project bust. After all, if the problem was an assumption by businesses of increased savings, shouldn’t learning the reality that people weren’t saving cause the retail sector to boom? Unfortunately, this doesn’t happen. In fact, the reverse is usually the case. The reason is straight-forward: the mistake wasn’t underestimating spending, it was overestimating savings. What’s more, the liquidation of malinvestments causes unemployment, often triggering consumers to start saving more and spending less.

9) The economy develops what looks like an output gap. It is producing far less than it once did and employment is at a far lower level. This is mainly because part of the old output was geared toward future consumption that is now understood to be impossible. The output gap is just a shadow of the old, unsustainable boom.

Okay. Let me say that this is a slightly modified version of the Austrian theory of business cycles. It’s been modified mostly to take out the shibboleths of Austrian economics—the kind of private language that people who have read a lot of Ludwig Von Mises use to talk to each other. No doubt they’ll strenuously object to one part of another of my description of what they like to call the ABC—Austrian Business Cycle.

Students of ABC will notice that I left out one crucial aspect of the Austrian theory of business cycles here: I didn’t mention the role of the central bank in sparking the bust by raising interest rates. Typically, Austrians say that the central bank inevitably raises interest rates to ward off inflation. But I don’t think any raising of interest rates is necessary to begin the bust cycle—all that is necessary is for the future spending to be lower than it was expected to be. (I think this explains the housing bust, for instance.)

The strongest critique of the Austrian theory of business cycles has always been that it makes businessmen out to be a bit foolish. Why are they always getting tricked by the low interest rates of central banks into making unsustainable investments? Wouldn’t a smart businessman take advantage of low rates to make investments that could withstand inevitable rate raises?

There are lots of possible responses to this. The Austrian economists have offered plenty, including the fact that low interest rates create a kind of calculational chaos that makes if very hard to figure out which projects are sustainable and which are too risky.

One of the favored responses, however, has just been that businessmen did not understand the business cycle very well. After all, Austrian economics has long been regarded as outside the realm of mainstream economics. Many MBA’s probably have nothing but a vague sense of the Austrian business cycle theory. So the reason businesses didn’t anticipate and respond to the boom-bust cycle is that they didn’t know much about it. Their errors were based in ignorance.

A conspiracy theorist might point out that this ignorance served the purposes of central bankers very well. It made it possible for central bankers to use interest rates to manipulate the economy. They could lower interest rates and count on businessmen to respond as they expected—by starting and expanding business lines.

This brings me around to my point today. I think that we may have entered a new era.

We may all be Austrians now.

Not since the New Deal has Austrian economics enjoyed the political popularity it does now. Austrian economists are awfully popular with the Republican Party, especially its Tea Party wing. Peter Schiff, the Austrian economics-inflected investment advisor, is a very popular guest on business television. Tom Woods' book “Meltdown”—which provided an Austrian economics explanation for the financial crisis—was a best seller. Congressman Ron Paul and Senator-elect Rand Paul are both devotees.

Perhaps more importantly, there has been widespread blame assigned to Alan Greenspan’s Federal Reserve for initiating the housing bubble with its low interest rate policies. I cannot remember when the last time was that there was widespread public appreciation of the role of central banks in causing the boom-bust cycle.

Top that off with the very public criticism of Ben Bernanke’s zero-interest rate plus quantitative easing policy. While much of this is centered on the dangers of inflation, it has also given rise to fears of “bubbles” in various assets.

All of which points to me to the possibility that Austrian business cycle theory has gone mainstream. I think it is very likely that businessmen are finally waking up to the dangers of malinvestment—and avoiding some of the errors that the critics of ABC theory always thought they should.

If I’m right about this, it could mean that Ben Bernanke’s plans to push along the recovery through further easing could be stymied—or at least delayed. I’m not sure how long business will be able to hold out against the lure of low interest rates—especially as investors push banks and businesses to put the money on their balance sheets to work. But the downturn could last much longer than history would suggest.

Don’t get me wrong. I don’t think the Fed has totally lost its power to create mischief for the economy. If the power of central bankers to manipulate businesses through lower interest rates was diminished, the economy would be far healthier. But interest rate manipulation still will be a source of calculational chaos that will make business planning more difficult and likely lead to clustered economic errors.

But as long as our Austrian moment lasts, we might be headed to a healthier—if slower—recovery than we would have had if Bernanke could get his way.

sábado, 20 de novembro de 2010

Mais sobre o quantitative easing.

O QE2 continua incitando polêmicas. Vejam a opinião de Paul Keynes Krugman que, como todos os keynesianos e todos aqueles que esperam o Papai Noel colocar presentes na árvore de natal, acredita em milagres. Aqui está a opinião de Bill Shughart, alguem que entende que o governo não pode acabar com os custos de decisões erradas, que pode, no máximo, transferi-los.
UPDATE: Bill Shughart de novo.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Celso Ming e o padrão ouro.

Confesso que fiquei muito decepcionado com o Celso Ming, muito lamentável sua opinião sobre o padrão ouro. Alguns comentários:

O padrão ouro desmilinguiu-se em 1971 quando os Estados Unidos não conseguiram mais garantir a conversibilidade do dólar em ouro, na proporção de US$ 35 por onça-troy (31,1 gramas).
Claro que não. Depois de imprimir tanta moeda, o padrão ouro poderia ter sido mantido se permitissem a queda do valor do dólar em relação ao ouro.

A proposta de Zoellick certamente não pressupõe o atrelamento das moedas mais importantes ao ouro, porque não há ouro em volume suficiente para dar conta disso. O maior economista do século 20, John Maynard Keynes, já tinha feito as contas e chegara à conclusão que todo o ouro do mundo nos anos 40 cabia num navio.
Como assim não há ouro suficiente. É claro que o valor em dólares do ouro não seria o mesmo. Se antes havia 100 kilos de ouro para 100 dólares, cada kilo custava um dólar. Se hoje há os mesmos 100 kilos de ouro e 1000 dólares, então cada kilo custará 10 dólares. Não é a quantidade de ouro que tem q se adequar. Esse argumento foi tosco em Ming!

Se voltasse a ser adotado, provavelmente provocaria instabilidade muito maior do que a de agora. Se não por outra coisa, isso aconteceria porque, até mesmo antes de sua volta, as pessoas perguntariam quanto tempo uma velharia dessas conseguiria se mantiver em pé.
É engraçado ver que na história, sempre que as pessoas foram livres para escolher sua moeda, elas escolheram o ouro e/ou a prata. É engraçado ver também porque tem tanta gente comprando ouro hj, será q é porque eles confiam no ouro como forma de riqueza?

Depois vou melhorar esse post!.

Krugman, padrão ouro e deflação.

Krugmam perde ótimas chances de ficar calado. Como todos os keynesianos, Paul Krugmam acredita cegamente que todos os problemas do mundo podem ser resolvidos com o governo gastando - como um loco sem preocupar de onde vem o dinheiro e no que está gastando - e apertando o botão do dinheiro no banco central. Einstein já dizia que fazer a mesma coisa todas às vezes e esperar resultados diferentes é, no mínimo, loucura. Talvez, como apenas um graduando em economia, seja eu o retardado. O que o FED está fazendo é fixar preços, os preços precisam cair, é isso que o mercado está dizendo. O problema não são as tendências deflacionárias atuais, o problema é que os preços de alguns ativos subiram demais sem qualquer fundamento real. Se o FED continuar a fazer o que está fazendo, o mercado forçara um nivelamento dos preços relativos, isto é, ao invés dos preços dos ativos podres caírem, todos os outros preços vão subir, ou seja, pode acontecer uma inflação massiva. Todo mundo sabe que a moeda é uma representação das riquezas, mas há alguns imbecis que acreditam que criar moeda é criar riqueza. Não há esta besteira de poças de liquidez, isso não passa da inflação monetária criada pelo FED. Neste artigo, Krugmam usa a mesma ladainha do Keynes sobre o padrão ouro, o chama de relíquia Barbara e afirma que isto não resolveria nenhum problema. Se o problema que ele acredita existir é a deflação, então não resolve mesmo. O problema é q a farra monetária do FED e a atuação imbecil do governo norte-americano incentivando o crédito barato, levaram a investimentos errados que só se justificavam com os incentivos artificiais. Uma vez que esses incentivos implodiram, a bolha estourou e mercado pressionou por uma queda dos preços destes ativos podres. Uma lição importante que aprendi no meu curso de introdução à economia, foi que fixar preços nunca é uma boa escolha, o mercado sempre vence e as conseqüências podem ser mais catastróficas. Outra lição importante que aprendi é que não há almoço de graça na economia, não há milagres como os keynesianos acreditam. O melhor que o governo norte-americano tem a fazer é ficar fora do caminho, diminuir gastos fortemente, diminuir impostos e diminuir a regulação para que o produto norte-americano recupere sua competividade. O FED deveria parar de tentar fixar preços, principalmente o preço dos juros. Outra coisa que tem me irritado profundamente é a imbecilidade de tentar resolver o problema da competitividade desvalorizando a moeda. As pessoas pensam que moeda valorizada é ruim, mas é justamente o contrário. Desvalorizar a moeda traz inflação e piora a situação de todos aqueles que não exportam. A melhor maneira de resolver o problema da competividade é melhorar a produtividade, diminuir impostos, regulações excessivas e corrupção.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A evolução do gasto. Por Fábio Giambiagi.

Inicio hoje um conjunto de artigos sobre o gasto público, com foco na despesa primária (ou seja, exceto os juros) da União. Não vou tratar do gasto com juros, por duas razões. A primeira é porque ele não é uma escolha do Tesouro: este pode decidir gastar menos no ministério A e mais no B, mas não pode optar por gastar tantos bilhões de reais a menos com juros, para utilizar esses recursos em algum programa, pois simplesmente não é assim que funciona a política monetária. E a segunda é porque dediquei um artigo bastante detalhado a esse tema há pouco tempo.

Por que o gasto primário é relevante? Pelos seguintes motivos:


1) Dívida pública. A trajetória do gasto público é chave na determinação da relação dívida/PIB. Depois desse coeficiente ter caído entre 2002 e 2008, voltou a aumentar em 2009 e é importante retomar a trajetória de queda, de 2010 em diante;

A despesa primária do governo central aumentou de 14% do PIB em 1991 para 23% do PIB em 2010

2) Inflação. No Brasil, depois do Plano Real, o peso da política anti-inflacionária descansou predominantemente na política monetária, com as consequências negativas já conhecidas. A responsabilidade relativa entre os juros e o resultado primário na preservação da inflação na meta deve ser rebalanceada, para não sobrecarregar o esforço do Banco Central;

3) Investimento. A formação bruta de capital (FBK) é igual à poupança total - doméstica e externa. O Brasil tinha uma FBK de 18% do PIB em 1995, no começo do Plano Real e o número deve ser novamente da ordem de 18% do PIB em 2010. Em 15 anos, não avançamos nada nesse quesito, fundamental para o crescimento do país. Para aumentar a taxa de investimento, precisamos elevar a poupança doméstica e, para tal, um melhor controle da trajetória e da composição do gasto são fundamentais; e

4) Setor externo. A poupança externa é o resultado em conta corrente com sinal trocado. O Brasil tinha equilíbrio externo antes da estabilização de 1994. Nos primeiros anos desta até 1999, forjou-se um desequilíbrio (déficit em conta corrente, ou poupança externa) que alcançou quase 5% do PIB. Depois, anos de ajuste fizeram que em 2004 o Brasil alcançasse um superávit em conta corrente de mais de 1% do PIB. Agora, em 2010, podemos ter novamente um déficit externo da ordem de 2 % a 3 % do PIB. É recomendável que o país não abuse desse expediente, que tantos traumas causou no passado quando o financiamento externo era interrompido por alguma crise. Para não depender desses recursos, será preciso aumentar a poupança doméstica, o que novamente nos remete à importância do incremento da poupança pública.

O que mostram os dados? Eles indicam que a despesa primária do governo central - incluindo as transferências a Estados e Municípios - aumentou de 14% do PIB em 1991 para uma estimativa de 23% do PIB em 2010: um incremento de 9% do PIB, sendo que sabemos que o investimento federal era de 1% do PIB há 20 anos e terá um peso de magnitude similar em 2010. Ou seja, toda a variação do gasto foi de despesas correntes. O total, expresso como proporção do PIB, aumentou em cada um dos governos. Ele passou de 14% do PIB em 1991 - primeiro ano para o qual tais estatísticas estão disponíveis - para 17% do PIB em 1994, 18% em 1998, 20% em 2002, 21% em 2006 e uma estimativa de 23% em 2010. A contrapartida da estagnação histórica do investimento, no contexto da expansão da carga tributária, foi o avanço do gasto corrente. E, se quisermos aumentar o investimento, será preciso conter esse processo.

O aumento da variável gasto/PIB foi praticamente ininterrupto. Cedeu apenas em 1995, por conta da distorção associada ao fato de que o PIB da série revista do IBGE, 10% maior que a série original, se iniciou apenas naquele ano; em anos de ajuste - 1996, após o susto fiscal de 1995; 1999 e 2003; e, marginalmente, em 2008, quando o PIB teve uma forte expansão. Nos demais anos, houve só crescimento do coeficiente. Ao todo, assumindo para 2010 um crescimento real do gasto de 9,5 % e do PIB de 7,5 %, em 19 anos teremos tido uma variação real do gasto primário de 5,9% a.a., contra um crescimento do PIB de 3,1% a.a. O gasto cresceu quase duas vezes o crescimento do PIB! Pode-se alegar que, se o PIB tivesse crescido mais, esse aumento do coeficiente poderia não ter ocorrido. O problema é que entre 2003 e 2010 o PIB terá crescido a uma média maior, de 4,4% a.a. e, mesmo assim, a despesa primária subiu 4% do PIB!

Em nossos próximos encontros mensais, irei abordar com maiores detalhes cada um dos ingredientes dessa conta. O objetivo é que, ao final, o leitor interessado conheça um pouco mais nossas finanças públicas. Caberá ao leitor depois avaliar se atingi o meu propósito.


Fabio Giambiagi, economista, é co-organizador do livro "Finanças públicas - Teoria e prática no Brasil" (Ed. Campus). Escreve mensalmente às segundas-feiras.

E-mail: fgiambia@terra.com.br.

Fonte: Valor, 08/11/2010

sábado, 6 de novembro de 2010

Abaixo-assinado contra a volta da CPMF.

Estava na cara que a primeira coisa que a Dilma iria fazer se ganhasse a eleição seria reviver a CPMF. Eu sou contra não apenas por ser mais um imposto sobre o já tão sobrecarregado brasileiro, mas também porque se trata do pior tipo de imposto possível. Essa contribuição provisória de 100 anos é cumulativa e incide sobre toda a cadeia produtiva. Cada vez que uma conta é movimentada, 0,38% do valor vai direto para conta do tesouro nacional. Pois bem, peço aos meus três leitores que, por favor, colaborem nos esforços para impedir que essa porcaria retorne. ASSINE AQUI.

sábado, 16 de outubro de 2010

Música clássica e heavy metal.

Heavy Metal é o estilo musical mais próximo da música clássica. As escalas características dos estilos são bem parecidas, há em ambas, o forte uso das escalas menores dentro dos campos harmônicos para a construção das melodias. A métrica também é parecida, principalmente os acentos no final dos compassos para tirar a sensação de que o tempo é reto. Não tenho dúvida nenhuma de que se alguns compositores clássicos estivessem vivos, dentre eles tenho ainda mais certeza sobre Mozart, ele seriam do Heavy Metal (provavelmente da vertente melódica). Vou postar alguns videos que mostram como a música clássica pode ser muito bem executada no estilo heavy sem perder suas caracteristicas.

















domingo, 26 de setembro de 2010

Alla turca na bateria.

Pela habilidade com o pedal duplo, pelos doubles velozes e perfeitos e pela condução nos pratos, tenho certeza que é um batera de metal.




UPDATE: Aqui está a prova, o cara tocando Paradigm Shift do Liquid Tension. Podem falar o que quiser, mas não há como bater os bateras do metal.




Achei apenas que ele abusou do Timbal demais.

Hangar - The Reason of Your Conviction and One More Chance.

Eu gosto do novo vocal (Humberto Sobrinho), mas o Nando Fernandez é foda demais. No Brasil, acho que apenas o André Matos é melhor que ele.



quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Hayek sobre Keynes.



Se fosse Hayek, eu responderia a pergunta do reporter da seguinte maneira: bem, Keynes foi importante porque ele deu aos políticos um argumento teórico forte, mas completamente errado, para defender o aumento do governo e dos gastos públicos e é por este motivo que o keynesianismo ainda não está morto. Os keynesianos são minoria entre os economistas, mas são maioria absoluta entre os politícos. São os interesses politicos em utilizar as ferramentas econômicas para ganhar poder que mantem o keynesianismo vivo pois sob aspectos de validade econômica,nem as cinzas existem mais. O fato de que o mal uso dessas ferramentas pode trazer consequências econômicas catastróficas não importa, porque segundo o próprio Keynes, estamos todos mortos no longo prazo.

Peter Schiff em uma missão impossível!

Os keynesianos foram dizimados pelo fenômeno da estagflação das décadas de 1970 e 1980. "Inflação e desempregos ao mesmo tempo?? Isto é impossível!!!" diziam eles. Pois bem, os keynesianos ortodoxos foram exonerados do mainstrem e se encontram em extinção. Porém, há ainda alguns dinossauros que resistem como um virús. James Galbraith é um desses virús e, com certeza, herdou toda a ignorância econômica do pai. Já falei sobre ele aqui no blog, mas acho que vale a pena falar mal dele mais uma vez. Vejam primeiro o vídeo da discussão entre James e Peter Schiff.



Segundo James, se um governo deve na moeda que controla, não existe nenhum problema!!!
Não vou usar nenhum argumento econômico para refutar essa babaquice keynesiana. Para isso, vou usar apenas lógica simples.
Se fosse verdade, então qualquer governo que conseguir crédito na moeda nacional pode entrar na farra, ou seja, a economia é simples. Monetizar a divida é tudo que precisamos saber para promover crescimento econômico. Produzir para que???? Vamos emprestar, gastar e pagar com inflação!!

Peter Schiff was right.

Nós economistas não somos conhecidos por nossa capacidade de prever o futuro. Há milhares de exemplos de erros e acertos. Discordo que seja possível válidar uma teoria baseando-se em apenas um caso, prefiro tomar esses exemplos como indicadores sobre a válidade de uma teoria. Assim, vou postar aqui dois vídeos sobre esse tipo de previsão.

Peter Schiff é economista da Escola Austríaca e foi ridicularizado quando, muito antes do estouro da crise e baseado na teoria dos ciclos econômicos austríaca, defendeu que haveria crise e recessão

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Para acelerar o crescimento. Por Carlos Alberto Saddenberg.

Brasil fora da Copa, as eleições presidenciais logo chegarão ao centro do noticiário. Adiantando, eis alguns pontos que merecem atenção no que se refere ao modelo macroeconômico:

Metas de inflação ? o regime de metas funciona no Brasil desde 1999, com bastante sucesso. A inflação, medida pelo IPCA, roda em torno dos 4,5% ao ano, no centro da meta, e os juros reais estão na faixa dos 5%, ante os 15% verificados no início do regime. Já basta?

A resposta é não. A meta de inflação no Chile, no México, na Coreia do Sul e na China é de 3% ao ano, considerado um padrão mais adequado para emergentes de renda média.

Assim, há três possíveis avanços que poderiam ser implementados no regime de metas. Primeiro, colocar na lei a independência do Banco Central. Hoje, há uma autonomia operacional concedida pelo presidente da República, que, portanto, pode cancelá-la a qualquer momento. Isso é um fator de incerteza? e toda incerteza leva a uma inflação mais elevada (e, pois, a juros mais altos).

A segunda mudança seria reduzir a meta e a margem de tolerância, hoje de dois pontos para cima e para baixo. Assim, a rigor, a inflação brasileira pode ir a 6,5% num ano, o que é muito elevado. Costuma-se dizer que o Brasil tem a mais alta taxa de juros entre os países importantes. Tem também a meta de inflação mais alta.

A terceira mudança seria um programa para eliminar as indexações que ainda existem na economia brasileira, como as diversas modalidades de correção automática de preços e contratos.

Dívida pública ? A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) está em torno dos 40% do PIB. Já foi de 70%, de modo que houve uma notável redução. Mas, entre os emergentes importantes, o padrão é de 30%. A Dívida Pública Bruta, aqui, se aproxima dos 70% do PIB ? é também mais elevada do que na concorrência.

Dívida elevada é uma das causas de juros mais altos. Portanto, uma boa política seria estabelecer metas de redução desse endividamento, nos dois conceitos.

O peso do Estado ? Também seria uma boa política a introdução de metas de redução do peso do Estado na economia. Não é preciso, dada a dificuldade política e jurídica, demitir funcionários e fechar órgãos. Há alternativas: por exemplo, de cada dois que se aposentam, contratar apenas um novo funcionário. Ou estabelecer como regra que todo o gasto público cresce sempre abaixo da expansão do PIB.

Paralelamente, é preciso aplicar programas de eficiência na administração pública. O Brasil gasta com saúde e educação a mesma coisa que gastam outros países com melhores resultados.

Reforma tributária? Políticas de redução e controle de gastos públicos criam o espaço para a tão sonhada reforma tributária, com o duplo objetivo de diminuir a carga e simplificar o sistema. Hoje, é impossível falar em redução de impostos diante de uma dinâmica de gastos públicos sempre crescentes.

Investimentos? É o ponto fraco da economia brasileira. Na média, os países emergentes investem 28,5% ao ano, com destaque para os asiáticos, normalmente acima dos 30%. Na América Latina a média cai para 22,5% ao ano. E o Brasil? Neste século, o melhor que conseguiu foi 20%, em 2000. A média de 2003/2008, até a crise global, foi inferior a 17%. Por isso, o crescimento brasileiro também está abaixo das médias global e latino-americana. O Brasil tem uma propensão ao consumo, a começar pelo governo.

Estabelecer metas de investimentos públicos e privados é possível, mas apenas em conjunto com políticas de redução e controle do gasto público.

Petrobrás. Comentamos aqui, na semana passada, como o governo Lula está impondo enormes tarefas e programas de investimentos à Petrobrás, em alguns pontos contra a opinião técnica da própria estatal. É o caso das três refinarias em construção, ao mesmo tempo, em Pernambuco, Ceará e Maranhão? Todas longe tanto dos centros de produção de petróleo quanto dos principais mercados consumidores de derivados.

Para bancar todos esses investimentos, a Petrobrás terá de se endividar e comprometer sua lucratividade atual. Além disso, o governo vai capitalizar a estatal entregando barris de petróleo “futuros”, enquanto os minoritários terão de entrar com dinheiro vivo.

Vários leitores comentaram. O e-mail abaixo, do leitor Davi Lamas, resume bem a posição de minoritários descontentes:

“Gostaria de demonstrar meu profundo descontentamento diante dos inúmeros erros que a Petrobrás vem cometendo. Obviamente, este e-mail pode ser insignificante, mas acho interessante demonstrar o sentimento do acionista minoritário, ainda mais diante do aporte do Oceano Atlântico em troca de ações da empresa. Se não bastassem a questão política, os gastos excessivos, a falta de planejamento, vejam o plano de negócios patético da estatal, que comprometerá a empresa no mínimo pelos seis próximos anos? jogando no lixo o lucro por ação, a rentabilidade, etc. Deveriam aprender com a Vale, uma empresa preocupada com o acionista e que traz valor real ao mesmo. É o contrário do que faz a Petrobrás, que se tornou um sinônimo de má administração, ingerência e falta de controle. (A capitalização a ser promovida pelo governo tem sido definida como) “manobras de um país sem leis”, segundo sites de economia internacionais.”

De outro lado, o próprio presidente Lula tem dito que a Petrobrás, por ser estatal, deve mesmo agir como instrumento do governo na promoção de investimentos no País. Essa seria sua função principal, e não a distribuição de lucros aos acionistas.

O valor das ações da Petrobrás tem estado em queda, refletindo tanto as preocupações dos minoritários quanto as decisões do governo para a estatal.

Fonte: Jornal “O Estado de S.Paulo” – 05/07/10

Mankiw ensinando Paul Krugman.

Confesso que me estou me divertindo muito com a indignação na qual se encontra o Krugman. No blog ou no NYT ele está completamente desolado com as medidas de austeridade, ninguém escapa de sua metralhadora keynesiana de quermesse.

Ainda bem que o Mankiw está tentando ensinar ao Paul um pouco de economia.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

As pedras viram pães: o milagre keynesiano. Por Ludwig Von Mises.

As pedras viram pães: o milagre keynesiano

[Ensaio original de março de 1948]

A característica típica de todos os autores socialistas é a idéia de que há uma abundância plena dos meios, e que a substituição do capitalismo pelo socialismo tornaria possível prover a todos "de acordo com suas necessidades". Já outros autores querem criar esse paraíso através de uma reforma do sistema monetário e creditício. De acordo com eles, sempre está faltando mais dinheiro e mais crédito. Eles consideram que a taxa de juros é um fenômeno criado artificialmente pela escassez dos "meios de pagamento", escassez essa também criada propositalmente pelo homem.

Em centenas, até mesmo milhares, de livros e panfletos eles calorosamente culpam os economistas "ortodoxos" por sua relutância em admitir que doutrinas inflacionistas e expansionistas são sólidas. Todos os malefícios, eles repetem insistentemente, são causados tanto por ensinamentos errôneos da "obscura ciência" que é a economia, como pelo "monopólio do crédito" desfrutado pelos banqueiros e usurários. Libertar o dinheiro dos grilhões do "restricionismo", criar dinheiro livremente (o Freigeld, na terminologia de Silvio Gesell) e garantir crédito barato ou até mesmo gratuito: esse é o principal ponto da plataforma política deles.

Tais idéias têm apelo para a massa desinformada. E elas são muito populares para aqueles governos comprometidos com uma política de aumentar a quantidade de dinheiro em circulação e a quantidade de depósitos à vista sacados por meio de cheques. Entretanto, os governos inflacionistas e seus partidos ainda não estavam prontos para admitir abertamente seu apoio aos dogmas dos inflacionistas. Conquanto vários países tenham embarcado em políticas inflacionistas e de dinheiro fácil, os defensores literários do inflacionismo ainda eram menosprezados como "excêntricos". Suas doutrinas não eram ensinadas nas universidades.

John Maynard Keynes, falecido conselheiro econômico do Governo Britânico, tornou-se o novo profeta do inflacionismo. A "Revolução Keynesiana" consistiu no fato de ele ter abertamente defendido as doutrinas de Silvio Gesell. Como o precursor dos gesellianos britânicos, Lord Keynes também adotou o jargão peculiarmente messiânico da literatura inflacionista e o introduziu em documentos oficiais. De acordo com o Paper of the British Experts, de 8 de abril de 1943, a expansão do crédito opera o "milagre . . . de transformar uma pedra em pão". O autor desse documento era, é claro, Keynes. A Grã-Bretanha realmente viajou um longo caminho desde as concepções que Hume e Mill faziam do que seriam milagres até essa declaração.

II

Keynes debutou na cena política em 1920, com seu livro As conseqüências econômicas da paz. Ele tentou provar que as somas exigidas para reparações eram demasiado excessivas em relação ao que a Alemanha poderia de fato pagar e "transferir". O sucesso do seu livro foi devastador. A máquina de propaganda dos nacionalistas alemães, já bem entrincheirada em cada país, dedicou-se arduamente a apresentar Keynes como o mais conspícuo economista do mundo, bem como o estadista mais sábio da Grã-Bretanha.

Entretanto seria um erro culpar Keynes pela política externa suicida que a Grã-Bretanha adotou no período entre guerras. Outras forças, principalmente a adoção da doutrina marxista do imperialismo e do "capitalismo belicoso", foram de importância incomparavelmente maior durante o período do Apaziguamento. À exceção de um pequeno número de homens perspicazes, todos os bretões apoiaram a política que acabou tornando possível aos nazistas começarem a Segunda Guerra Mundial.

Um economista francês muito talentoso, Etienne Mantoux, analisou minuciosamente esse famoso livro de Keynes. O resultado desse cuidadoso e escrupuloso estudo foi devastador tanto para Keynes o economista e estatístico, bem como para Keynes o estadista. Os amigos de Keynes ficaram perplexos, tentando encontrar qualquer contestação substancial. O único argumento que seu amigo e biógrafo, o professor E. A. G. Robinson, conseguiu promover foi que essa poderosa acusação sobre a posição de Keynes veio "como se poderia esperar, de um francês". (Economic Journal, Vol. LVII, p. 23.) Como se os efeitos desastrosos do Apaziguamento e do derrotismo não tivessem afetado também a Grã-Bretanha!

Etienne Mantoux, filho do famoso historiador Paul Mantoux, era o mais ilustre dos jovens economistas franceses. Ele já havia feito contribuições valiosas para a teoria econômica - dentre elas uma crítica aguçada da Teoria Geral de Keynes, publicada em 1937 na Revue d'Economic Politique - antes de começar seu livro The Carthaginian Peace or the Economic Consequences of Mr. Keynes (Oxford University Press, 1946). Ele não viveu para ver seu livro publicado. Como oficial das forças armadas francesas, foi morto na ativa durante os últimos dias da guerra. Sua morte prematura foi um duro golpe para a França, que hoje está urgentemente necessitada de economistas sólidos e corajosos.

III

Seria também um erro culpar Keynes pelas falhas e erros das políticas econômicas e financeiras da Grã-Bretanha contemporânea. Quando ele começou a escrever, a Grã-Bretanha já havia abandonado o princípio do laissez-faire. Essa realização se deve a homens como Thomas Carlyle e John Ruskin, e, principalmente, aos fabianos[1]. Aqueles nascidos a partir da década de 1880 se tornaram meros imitadores da elite universitária e dos socialistas chiques do final do período vitoriano. Eles não eram críticos do sistema vigente, como seus predecessores o foram, mas, ao contrário, apologistas das políticas do governo e de grupos de interesse, políticas cuja inadequação, futilidade e perniciosidade se tornaram mais e mais evidente.

O professor Seymour E. Harris publicou um corpulento volume de ensaios feitos por vários acadêmicos e autores burocráticos. Esses ensaios tratam das doutrinas desenvolvidas por Keynes em sua obra A teoria geral do emprego, do juro e da moeda, publicada em 1936. O título do volume é The New Economics, Keynes' Influence on Theory and Public Policy (Alfred A. Knopf, Nova York, 1947). Se o keynesianismo faz jus à denominação de "nova economia", ou se é apenas uma repetição das já refutadas falácias mercantilistas e dos silogismos de inúmeros autores que querem tornar todos mais ricos através da emissão de papel-moeda de curso forçado, não é o que importa. O que importa para uma doutrina é que ela seja sólida; ela não tem de ser necessariamente nova.

A coisa mais notável sobre esse simpósio é que ele nem sequer tenta refutar as embasadas objeções levantadas contra Keynes por economistas sérios. O editor parece incapaz de conceber que um homem honesto e não corrupto possa discordar de Keynes. Da maneira como ele vê, qualquer oposição a Keynes advém de "interesses obscuros de acadêmicos da velha teoria" e da "influência preponderante da imprensa, do rádio, dos financistas e da pesquisa subsidiada". Aos seus olhos, os não-keynesianos são apenas um bando de bajuladores subornados, indignos de atenção. O professor Harris adota assim os métodos dos marxistas e dos nazistas, que preferiam difamar seus críticos e questionar seus motivos ao invés de refutar suas teses.

Algumas poucas contribuições foram escritas em uma linguagem honrada e se mostram reservadas, até mesmo críticas, em sua apreciação pelas façanhas de Keynes. Mas as outras contribuições são simplesmente irrupções ardorosamente entusiásticas. Assim, o professor Paul E. Samuelson nos diz que "ter nascido como economista antes de 1936 foi uma bênção, sim. Mas ter nascido muito antes disso, não!". E então ele cita (o poeta inglês William) Wordsworth:

"Era sublime estar vivo naquela aurora, mas ser jovem era o próprio paraíso!"

("Bliss was it in that dawn to be alive, but to be young was very heaven!")

Descendo das alturas imponentes do Parnassus para o prosaico vale das ciências quantitativas, o professor Samuelson nos fornece informações exatas sobre a suscetibilidade de economistas ao evangelho keynesiano de 1936. Aqueles com menos de 35 anos compreenderam totalmente seu significado após algum tempo; aqueles além dos 50 se mostraram bem imunes, enquanto os economistas do grupo do meio se mostraram divididos. Após nos servir uma versão requentada da giovanezza de Mussolini, ele oferece mais daqueles desgastados slogans do fascismo, como, por exemplo, o keynesianismo ser a "onda do futuro". Entretanto, a respeito desse ponto, um outro contribuidor, o sr. Paul M. Sweezy, discorda. Aos seus olhos, Keynes, corrompido que estava pelas "falhas do pensamento burguês", ainda não é o salvador da humanidade, mas apenas o precursor cuja missão histórica é preparar a mente britânica para a aceitação do marxismo puro e tornar a Grã-Bretanha ideologicamente madura para o socialismo completo.

IV

Ao recorrer ao método das insinuações, tentando criar suspeitas sobre seus adversários ao referir-se a eles em termos ambíguos, e que permitem várias interpretações, as vivandeiras de Lord Keynes estão imitando os mesmos procedimentos de seu ídolo. Pois o método de Keynes, que muitas pessoas veneravelmente consideram "genialidade de estilo" e "maestria de linguagem" eram, na verdade, vulgares truques de retórica.

Ricardo, disse Keynes, "conquistou a Inglaterra tão completamente quanto a Inquisição conquistou a Espanha". Isso é mais malicioso do que qualquer outra comparação imaginável. A Inquisição, auxiliada por verdugos e condestáveis armados, sobrepujou os espanhóis, colocando-os em completa submissão. Já as teorias de Ricardo foram aceitas como corretas pelos intelectuais britânicos sem que houvesse qualquer pressão ou compulsão exercida em favor delas. Mas ao comparar duas coisas totalmente diferentes, Keynes indiretamente sugere que houve algo vergonhoso no sucesso dos ensinamentos de Ricardo, e que aqueles que desaprovam tais ensinamentos são heróis nobres e corajosos defensores da liberdade, assim como o foram aqueles que lutaram contra os horrores da Inquisição.

O mais famoso insight de Keynes foi aquele que diz que: "Duas pirâmides, duas missas para os mortos, são duas vezes melhores do que apenas uma; mas o mesmo não é válido para duas ferrovias entre Londres e York." É óbvio que esse gracejo, digno de alguma peça de Oscar Wilde ou Bernard Shaw, não prova de maneira alguma a tese de que cavar buracos no chão e usar a poupança para pagar pelo serviço "irá aumentar o estoque nacional real de bens e serviços úteis". Porém, o truque coloca o adversário numa embaraçosa posição: ou ele deixa um pretenso argumento sem qualquer resposta ou emprega as ferramentas da lógica e do raciocínio discursivo contra essa sutileza sagaz.

Outro exemplo da técnica de Keynes pode ser visto em sua maliciosa descrição sobre a Conferência da Paz em Paris. Keynes discordou das idéias de [Georges] Clemenceau. Por isso, ele tentou ridicularizar seu adversário discorrendo detalhadamente sobre sua aparência e vestuário, que pelo jeito não se adequavam ao padrão determinado pelos estilistas de Londres. É difícil descobrir alguma conexão entre o problema das reparações alemãs e o fato de que as botas de Clemenceau "eram de couro preto e grosso, muito boas, mas de um estilo rural, e eram, curiosamente, atadas na frente por uma fivela ao invés de laços". Após 15 milhões de humanos terem sido mortos na guerra, os estadistas mais proeminentes do mundo foram reunidos para dar à humanidade uma nova ordem internacional e uma paz duradoura . . . e o especialista em finanças do Império Britânico estava entretido pelo estilo rústico do calçado utilizado pelo Primeiro Ministro Francês.

Catorze anos depois houve uma outra conferência internacional. Desta vez Keynes não era um conselheiro subordinado, como em 1919, mas uma das figuras principais. Em relação a essa Conferência Econômica Mundial de Londres, em 1933, o professor Robinson observou: "Muitos economistas de todo o mundo irão se lembrar . . . da apresentação de 1933 em Covent Garden, em honra aos Representantes da Conferência Econômica Mundial, que em muito deveu sua concepção e organização a Maynard Keynes".

Aqueles economistas que não faziam parte dos quadros de qualquer um dos lamentavelmente ineptos governos de 1933, e que portanto não eram Representantes e não estiveram presentes à encantadora noite de balé, irão se lembrar da Conferência de Londres por outras razões. Ela marcou a mais espetacular falha, na história dos assuntos internacionais, das políticas neo-mercantilistas que Keynes apoiava. Comparada a esse fiasco de 1933, a Conferência de Paris em 1919 parece ter sido um grande sucesso. Mas Keynes pelo menos não publicou qualquer comentário sarcástico a respeito dos casacos, das botas e das luvas dos Representantes de 1933.

V

Conquanto Keynes tenha considerado "o peculiar e indevidamente negligenciado profeta Silvio Gesell" como um precursor, seus ensinamentos divergiam consideravelmente daqueles de Gesell. O que Keynes tomou emprestado tanto de Gesell como da miríade de outros pró-inflacionistas não foi o conteúdo de suas doutrinas, mas suas conclusões práticas e as táticas que utilizavam para solapar o prestígio de seus oponentes. Esses estratagemas são:

1. Todos os adversários, isto é, todos aqueles que não consideram a expansão do crédito como uma panacéia, devem ser universalmente amontoados e rotulados de ortodoxos. Fica subentendido que não há qualquer diferença entre eles.

2. Assume-se que a evolução da ciência econômica culminou em Alfred Marshall e terminou ali. As revelações da moderna economia subjetivista devem ser desconsideradas.

3. Todo o esforço dos economistas, de David Hume até a atualidade, para esclarecer os resultados advindos de mudanças na quantidade de dinheiro e dos substitutos monetários deve ser simplesmente ignorado. Keynes nunca assumiu a impossível tarefa de refutar esses ensinamentos através do processo de argumentação e dedução lógica.

Em relação a tudo isso, os colaboradores do simpósio adotam a técnica de seu mestre. Suas críticas se destinam a um corpo de doutrinas criadas por suas próprias ilusões, e que não têm qualquer semelhança com as teorias expostas por economistas sérios. Eles ignoram silenciosamente tudo o que esses economistas já disseram sobre o inevitável resultado de uma expansão creditícia. Parece que eles nunca ouviram nada a respeito da teoria monetária dos ciclos econômicos.

Para uma avaliação correta do sucesso com que a Teoria Geral de Keynes foi acolhida nos círculos acadêmicos, é preciso considerar as condições prevalecentes nos cursos de economia das universidades durante o período entre guerras.

Dentre os homens que ocuparam as cátedras de economia nas décadas recentes, poucos eram de fato economistas genuínos, isto é, homens totalmente versados nas teorias desenvolvidas pela moderna economia subjetivista. No geral, as idéias dos velhos economistas clássicos, bem como aquelas dos economistas modernos, eram caricaturadas nos livros-textos e nas salas de aula; chamavam-nas de antiquadas, ortodoxas, reacionárias, burguesas ou economia de Wall Street. Os professores se vangloriavam de ter refutado de uma vez por todas as abstratas doutrinas da Escola de Manchester e o laissez-faire.

O antagonismo entre as duas escolas de pensamento tinha seu foco prático no tratamento dado ao problema dos sindicatos. Aqueles economistas menosprezados como ortodoxos ensinavam que um aumento permanente nos salários de todas as pessoas ansiosas por um salário só seria possível se houvesse um aumento na cota do capital investido per capita e, consequentemente, um aumento na produtividade da mão-de-obra. Se - por um decreto do governo ou por pressão sindical - o salário mínimo for fixado a um nível maior do que aquele que seria determinado por um mercado livre e desimpedido, o desemprego resultará como um permanente fenômeno de massa.

Praticamente todos os professores das universidades da moda atacaram severamente essa teoria. Da maneira como esses pretensos doutrinários "não-ortodoxos" interpretaram a história econômica dos últimos duzentos anos, o aumento sem precedentes havido nos salários reais e no padrão de vida foi causado pelo sindicalismo e pelas legislações trabalhistas dos governos. O sindicalismo era, na opinião deles, algo totalmente benéfico para os interesses reais de todos os assalariados e de toda a nação. Apenas aqueles apologistas ímprobos dos notoriamente injustos interesses dos insensíveis exploradores poderiam achar qualquer erro nos violentos atos sindicais, diziam eles. A principal preocupação de um governo popular, afirmavam, deveria ser encorajar os sindicatos o máximo possível e dar a eles toda a assistência necessária para que possam combater as conspirações dos empregadores e determinar os salários em níveis cada vez mais altos.

Mas tão logo os governos e as legislaturas investiram os sindicatos com todos os poderes de que precisavam para impor seu salário mínimo, as conseqüências surgidas foram aquelas que os economistas "ortodoxos" tinham previsto; o desemprego de uma parte considerável da mão-de-obra potencial foi prolongado ano após ano.

Os doutrinários "não-ortodoxos" ficaram perplexos. O único argumento que eles tinham apresentado contra a teoria "ortodoxa" era o apelo à sua própria interpretação falaciosa da experiência. Mas agora os eventos haviam se desenvolvido exatamente da maneira prevista pela "escola abstrata". Assim, iniciou-se uma confusão entre os "não-ortodoxos".

Foi nesse momento que Keynes publicou a sua Teoria Geral. Que alívio para os "progressistas" confusos! Agora, finalmente, eles tinham algo para opor à visão "ortodoxa". A causa do desemprego não eram as políticas trabalhistas inadequadas, mas as deficiências do sistema monetário e de crédito. Nada mais de ficar preocupado com a insuficiência de poupança e com a acumulação de capital, tampouco com os déficits governamentais. Pelo contrário. A única maneira de acabar com o desemprego era aumentar a "demanda efetiva" através do gasto público financiado pela expansão do crédito e pela inflação.

As políticas recomendadas pela Teoria Geral eram exatamente aquelas que os "monetários excêntricos" haviam defendido há muito tempo, e que a maioria dos governos havia aplicado durante a depressão de 1929 e nos anos seguintes. Algumas pessoas acreditam que as escritas anteriores de Keynes tiveram um papel importante no processo de converter os governos mais poderosos do mundo às doutrinas de gastança imprudente, expansão creditícia e inflação. Essa é uma questão secundária que ainda pode permanecer indeterminada. Mas é inegável o fato de que os governos e as pessoas não esperaram a Teoria Geral surgir para embarcarem nessas políticas keynesianas - ou, mais acuradamente, políticas gesellianas.

VI

A Teoria Geral de Keynes, lançada em 1936, não inaugurou uma nova era de políticas econômicas; antes, ela marcou o fim de um período. As políticas que Keynes recomendava na época já estavam muito perto de gerar suas inevitáveis conseqüências, o que tornaria sua continuação impossível. Mesmo o mais fanático keynesiano não ousaria dizer que a atual aflição da Inglaterra é efeito de um excesso de poupança e de uma escassez de gastos. A essência das tão glorificadas políticas econômicas "progressivas" das últimas décadas era expropriar partes cada vez maiores das rendas mais altas e empregar os fundos assim adquiridos no financiamento do gasto público e em subsídios para membros dos mais poderosos grupos de interesse. Aos olhos dos "não-ortodoxos", todo tipo de política keynesiana, por mais evidente que fosse sua inaptidão, era justificável como meio de trazer mais igualdade. Mas agora esse processo chegou ao fim. Com a atual carga tributária e os métodos aplicados no controle de preços, lucros e taxas de juros, o sistema se liquidou a si próprio. Mesmo o confisco de cada centavo ganho acima de 1.000 libras por ano não irá propiciar qualquer aumento perceptível nas receitas públicas da Grã-Bretanha. Os mais fanáticos fabianos não têm como negar que os fundos doravante recolhidos para o gasto público terão de ser retirados daquelas mesmas pessoas que supostamente devem se beneficiar dele. A Grã-Bretanha atingiu o limite tanto do expansionismo monetário como da gastança pública.

As condições atuais dos EUA não são essencialmente diferentes. A receita keynesiana de fazer os salários decolarem não mais funciona. A expansão do crédito, na escala sem precedentes orquestrada pelo New Deal, mascarou por um curto tempo as conseqüências negativas das políticas trabalhistas inadequadas. Durante esse intervalo de tempo, o governo e os líderes sindicais se vangloriaram dos "ganhos sociais" que garantiram ao "homem comum". Mas agora as conseqüências inevitáveis do aumento na quantidade de dinheiro e depósitos à vista se tornaram visíveis; os preços não param de subir. O que está ocorrendo hoje nos EUA é o fracasso final do keynesianismo.

Não há dúvidas de que o público americano está se afastando dos slogans e das idéias keynesianas. O prestígio delas está definhando. Há apenas alguns anos os políticos estavam ingenuamente discutindo o tamanho da renda nacional em dólares, sem levar em conta as mudanças que a inflação provocada pelo governo havia trazido ao poder de compra do dólar. Demagogos especificavam o nível para o qual queriam levar a renda nacional (em termos de dólares). Hoje, essa forma de argumento deixou de ser popular. Finalmente o "homem comum" aprendeu que aumentar a quantidade de dólares não torna o país mais rico. O professor Harris ainda louva a administração Roosevelt por ter elevado nominalmente a renda. Mas tal consistência keynesiana é encontrada atualmente apenas nas salas de aula.

Ainda há professores que dizem a seus alunos que "uma economia não pode se erguer por seus próprios meios" e que "devemos gastar até chegar à prosperidade".[2] Mas o milagre keynesiano não consegue se materializar; as pedras não viram pães. Os elogios dos autores versados que ajudaram na produção do presente volume meramente confirmam a declaração introdutória do editor, que diz que "Keynes era capaz de despertar em seus discípulos um fervor quase religioso por sua economia, o que poderia ser aproveitado de maneira até mesmo afetiva na disseminação da nova economia." E o professor Harris vai além, e diz que "Keynes de fato tinha a Revelação".

Não faz sentido argumentar com pessoas que são guiadas por "um fervor quase religioso" e que acreditam que seu mestre "tinha a Revelação". Uma das tarefas da economia é analisar cuidadosamente cada um dos planos inflacionistas, tanto os de Keynes e Gesell como os de seus inumeráveis predecessores, de John Law até C. H. Douglas. Entretanto, ninguém deve esperar que qualquer argumento lógico ou qualquer experiência possa sequer sacudir o fervor quase religioso daqueles que acreditam na salvação através da gastança e da expansão creditícia.

domingo, 4 de julho de 2010

Um pouco de Symphony X.

Depois do último post com linda, mas gay, Hollow Years do Dream Theater vou colocar aqui a Of Sin and Shadows do Symphony x. Essa música mostra bem a essência da banda dos espetaculares Michael Romeo e Russel Allen, não é a minha favorita do grupo norte americano, mas é foda demais.


Continuo sem criatividade......talvez, mais tarde, eu venha falar mal do Paul Krugman um pouco.....

sábado, 3 de julho de 2010

Hollow Years - Dream Theater.

Estou sem criatividade para escrever alguma coisa produtiva. Então vou colocar aqui mais um vídeo do Dream Theater para vocês.


Aioros.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Brasil X Holanda.

Quem me conhece sabe que eu sou um fã incondicional do futebol holandês. Começou com na copa de 98 e vou levar isso pro resto da minha vida. No jogo dessas quartas de finais, será um jogo duro com o Brasil. Vou sim torcer para Holanda, mas acho que o Brasil é favorito, não porque o time seja superior, é, mas não tanto como nossa mídia e nossos comentaristas defendem, mas sim porque tem mais camisa,mais tradição e isso faz diferença em copa do mundo. Vou comparar aqui os jogadores das duas seleções.

Júlio César X Stekelenberg
O brasileiro é muito melhor, mas o holandês é seguro e possui bons reflexos.

Van der Wiel X Maicon
O brasileiro é o melhor do mundo. Porém o holandês é bom.

Heitinga X Lúcio
O brasileiro é superior, tem mais raça, é mais forte e é melhor no jogo aéreo. O defensor do Everton é muito lento, mas tem técnica e da bons passes.

Juan X Mathisen
O jogador do Roma é melhor, mas o Mathijen é bom zagueiro.

Von Bronckhorst X M. Bastos
Por muito pouco, mas o holandês ganha esse duelo, é melhor na defesa e da bons passes, porém, é muito lento.

G.Silva X De Jong.
O holandês é melhor, marca mais, é mais rápido e tem um passe muito melhor.

V.Bommel X F.Mello.
A comparação mais fácil. O holandês do Bayern é muito mais jogador.

D. Alves X Kuyt
O brasileiro é lateral, no meio de campo, o Kuyt é melhor.

Kaká X Sneijder
O brasileiro é melhor, mas quando está em plena forma física e técnica, como não é o caso, o holandês ganha essa disputa.

Robben X Robinho.
Fácil essa para o holandês, muito melhor em tudo e mais decisivo.

V. Persie X Fabiano.
O atacante do Arsenal é melhor jogador, mas não como centroavante. Por isso coloco esse como empate.

Acredito que o jogo vai ser difícil. Sei que o Brasil é favorito, mas tenho certeza que seria perfeitamente normal se a Holanda ganhasse.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Uma mensagem aos meus amigos comunistas.

Estava lendo esse paper e achei esse trecho extremamente interessante.

"Once we accept that institutions, especially bad ones, may not be very persistent without the underlying power structures holding them in place, it becomes easier to understand why we have seen such extraordinary change in countries that were under the yoke of communism. While the years spent under communism may have affected peoples’ attitudes somewhat (see Alesina and Fuchs- Schudeln (2005)), the speed with which socialist institutions were replaced by market institutions does not speak highly of the durability of the former. We would argue that one of the virtues of communism is a very strong emphasis on education, and this creates the broad constituencies that can press for market reforms once the stranglehold of the nomenklatura is broken. Ironically, instead of capitalism containing the seeds of its own destruction, the seeds for flourishing capitalism have been nurtured in the soil of communism. Capitalism may well be the final stage of communism!"

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Ron Paul X Bernanke

Ron é um estudioso da escola austríaca de economia.



Prestem atenção no que Ron Paul chama de inflação, não é o aumento dos preços, que é a consequencia da verdadeira inflação, isto é, do aumento da base monetária.

Esse video complementa o tópico anterior.

sábado, 19 de junho de 2010

Onde está o dinheiro?

Excelente pergunta feita pelo Adolfo Sachsida.


Só para lembrar, foi assim que começou o problema do subprime nos EUA. O FED imprimindo dinheiro a rodo, as taxas reais lá embaixo e o Greesnpan sendo louvado porque não havia sinais de inflação. O que aconteceu foi que a farra monetária foi direcionada para o mercado imobiliário e os índices de preços não mostravam porque os imóveis não eram importantes na formação do índice. Tais índices, mesmo os mais sofisticados, são uma medida grosseira dos preços da economia. Inflação deveria ser medida pela taxa de aumento da oferta monetária, por essa medida, os EUA tiveram uma média de 21% de inflação nos anos Greenspan.

Joseph Stiglitz sobre a crise.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Mais Dream Theater.

Para vocês a maravilhosa The Dance of Eternity.


Essa é cabulosa demais. Ytse Jam.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Dream Theater - The Dark Eternal Night.

Quem gosta de boa música vai gostar desse video!


Eu acho o som da caixa do Portnoy muito feio. Prestam atenção no som da caixa no intervalo 0:59 e 1:08, parece que batendo naquelas latas de tinta.

Polarização. Capitalismo democrático X Capitalismo estatal.

Artigo muito interessante.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Krugman de novo.

Fiz um post esses dias atrás sobre o Paul Krugmam. Minha critica foi contra o discurso dele de que as consolidações fiscais sempre trazem recessão e desemprego. Coloquei alguns exemplos de contrações fiscais expansionistas e expansões fiscais contracionistas e deixei claro que não há concenso na literatura, isto é, existem condições que prevalecem efeitos keynesianos (multiplicadores maiores que 1) ou fracamente keynesiano (multiplicadores entre 0 e 1) e situações onde prevalecem efeitos nulos (multiplicadores nulo) ou efeitos não-keynesianos (multiplicadores negaivos).
Pois bem, parece que alguem fez a mesma critica e o Krugman fez um post meio que se retrando. Para quem está familiarizado com o nobelista de 2008 sabe que seu jeito de se retratar é bem peculiar.

"So yes, you can boost your economy with fiscal austerity, as long as you also devalue your currency and sharply reduce interest rates; also, incantations will destroy a flock of sheep, if administered with a sufficient portion of arsenic."

Não somente nessas condições é possivel acontecer um ajuste fiscal expansionista. Outra situação ocorre quando há um aumento da renda disponível decorrente dos menores impostos futuros, mesmo que o cambio permaneça constante e a taxa de juros também, se os impostos cortados forem distorcivos, é possível haver um boom decorrente da consolidação fiscal.
Além do fato de ser extramamente difícil identificar quando efeitos keynesianos prevalecerão, há outras complicações relacionadas com o tempo. Quanto tempo até que as medidas façam efeito?? Por quanto tempo terão efeito sobre a economia?? Quais serão as condições econômicas quando e durante o tempo em que as medidas estarão fazendo efeito??

É um assunto muito complicado....

terça-feira, 15 de junho de 2010

Paul Krugman sobre as medidas ortodoxas.

Parece que o ganhador do Nobel de 2008 não está nenhum pouco satisfeito com a austeridade fiscal que está se desenhando nos países europeus.

Diz ele:
"...a reason to raise interest rates even in the face of high unemployment and incipient deflation..."

E dai??? Paul Krugman é tão perdido no seu vasto conhecimento que nem se preocupa em verificar o que a literatura tem a dizer sobre o assunto. Não é tão obvio assim que contrações fiscais levem à recessão e desemprego. São exemplos de experiências de “contrações fiscais expansionistas” a Dinamarca em 1983-86, a Irlanda em 1986-89, a Grécia em 1990-94 e a Suécia em 1986-87. Por outro lado, existem também exemplos de “expansões fiscais contracionistas” como a Suécia em 1990-93, a Finlândia em 1977-80 e 1990-92, a Suécia em 1977-79, o Japão em 1990-94 e a Austrália em 1990-94. A literatura mostra que existem condições específicas para que efeitos keynesianos prevaleçam, isto é, não é regra que diminuir gastos traz recessão e desemprego. Estou com preguiça de entrar no assunto, mas tem o problema das modificações na estrutura de produção acarretadas por manipulações, e se a estrutura criada a partir dos incentivos não for ótima no longo prazo? Eu respondo: será necessário um ajuste da estrutura, isto é, recessão!
Além disso aumentar os juros e cortar gastos agora pode diminuir a curva de juros de longo prazo( pasmem os pós-keynesianos!!!!).

O Krugman, se você tiver um tempinho livre, dá uma lida nesse paper?

sábado, 12 de junho de 2010

Entrevista com Peter Schiff.

Peter é um profundo conhecedor da escola austríaca da economia.

Se alguem me perguntasse: qual o post mais relevantes do seu blog, isto é, se eu tivesse que escolher somente um post de todos que existem no seu blog, qual você me indicaria?
Eu responderia: com certeza é este!.

Eu realmente aconselho que todos vejam essa entrevista, eu sei que é grande, mas vale a pena! Assista aos poucos se for o caso.








Quem tem medo da educação? Por Claúdio Haddad.

Excelente artigo, um pouco antigo, mas ainda sim vale muito a pena ler.

Produtividade e Instituições: Porque algumas nações são ricas e outras são pobres?

Outro texto que fiz para minha aula de finanças públicas.

O motivo pelo qual algumas nações são tão ricas e outras são tão pobres intriga economistas desde muito tempo atrás. Os dados mostram que tais disparidades sempre existiram, mas que se intensificaram na era industrial, ou seja, algumas características que eram essenciais para a prosperidade dentro da era industrial existiam em alguns países, mas em outros tais características eram fracas ou mesmo inexistentes. Como medida para prosperidade, a partir da teoria neoclássica dos salários, a maioria dos papers utiliza a produtividade total dos fatores (PTF), pois tal medida é parcimoniosa, isto é, aumento na renda dos trabalhadores que estejam acima do aumento de sua produtividade é insustentável, pois é inflacionária e um aumento na renda menor que o aumento da produtividade é obtido por um aumento no lucro normal, o que também é insustentável. Portanto é conveniente utilizar a PTF para mensurar ganhos reais de prosperidade em uma nação. Basicamente, a PTF é a parte do produto total da economia que não é explicada nem pelo montante de máquinas e equipamentos (capital físico), nem pela qualidade da força de trabalho de um dado país (seu capital humano). Colocado de outra forma, toda diferença nos níveis de PIB entre países não explicada pelos insumos de produção tradicionais é amontoada na rubrica “produtividade total dos fatores”. Tal metodologia surgiu a partir do trabalho de Robert Solow nos anos 50 e está no mainstream econômico desde então.
Identificando a relação entre a PTF e crescimento econômico, resta tentar identificar o motivo pelo qual a produtividade varia tanto entre os países. Vou refutar primeiro a teoria de que é o nível de investimento que determina a PTF. Na verdade, essa é uma tarefa fácil devido à própria natureza endógena do investimento, este que é determinado conjuntamente com varias outras variáveis endógenas como os juros reais, o consumo e a poupança dentro de um sistema de equilíbrio geral (as linhas keynesianas de pensamento discordariam comigo, já que para eles não há mecanismos de feedback entre as variáveis econômicas, tudo é autonomo). A resposta então só pode vir de uma variável que é determinada fora do sistema, uma variável exógena que afete a PTF e assim afete positivamente os fatores endógenos. Percebe-se então que é o aumento da PTF que gera um aumento do investimento, o que é bastante lógico já que o próprio aumento da produtividade libera capital para ser investido em outras áreas.
Acredito que resposta na diferença entre as instituições existentes nos países. As instituições são bem entendidas aqui como as regras do jogo econômico, ou seja, as diretrizes pelas quais os agentes tomam suas decisões e envolvem desde politicas comerciais até o sistema judiciário. Olhando para o passado vemos que os países que adotaram as instituições capitalistas tiveram maiores taxas de crescimento da PTF, aos marxistas que defendem que o capitalismo só prosperou devido à tecnologia (está dentro da PTF) resta reconhecer que foi o capitalismo que gerou a tecnologia, parafraseando Mises.
Resta descobrir quais são as instituições que afetam positivamente a PTF. A melhor resposta é muito antiga e pode ser encontrada na obra de Adam Smith de 1776. Smith foi muito claro em análise sobre a natureza da riqueza das nações defendendo que a produtividade vem da divisão de trabalho dentro de um cenário de competição e que o papel dos governos é garantir a integridade da propriedade privada e também garantir que os empresários e especuladores ganhem dinheiro. As nações que seguiram o conselho de Smith tiveram os melhores resultados.
Com o aumento da complexidade do sistema econômico, vários autores identificaram novos mecanismos pelos quais as instituições afetam a PTF, ainda que tenham a mesma essência das propostas de Smith. Vejamos algumas delas:
• Abertura econômica: dentro de um contexto de comercio internacional, a divisão do trabalho só pode atingir seu máximo quando todas as nações produzem os bens em que são mais eficientes e importando os bens que não produzem ao menor custo possível. Politicas comercias restritivas atrapalham esse objetivo, pois o país acaba tendo que produzir bens os quais poderia obter a custos menores se praticasse livre comercio internacional. Além disso, restrições comerciais impedem o país de se aproveitar das externalidades positivas das tecnologias de países mais avançados. A abertura econômica ocorrida no Brasil no começo dos anos 90 prova a importância da divisão do trabalho na PTF. Todas as medidas de produtividade tiveram um forte aumento no período.
• Respeito aos contratos: mesmo dentro de um país a divisão do trabalho pode não alcançar seu nível máximo. Se houver muita incerteza quanto às trocas de mercado, as empresas podem escolher não negociar. Os contratos servem para minimizar as incertezas, mas se estes não respeitados e não há nenhuma ação das instituições para coibir isso, os agentes respondem não negociando com estranhos simplesmente por falta de confiança.
• Proteção à propriedade: qualquer forma de propriedade privada precisa ser plenamente respeitada. Os agentes não investiram capital onde há o risco de expropriação de seus esforços.
• Estado mínimo: a ineficiência de um estado desnecessariamente grande atrapalha a economia. Isso ocorre porque o objetivo dos políticos não é o mesmo da sociedade, ou seja, é um problema agente-principal. Sendo assim, é melhor que o estado seja pequeno para que o resultado desse problema não seja grande.

Depois de identificar quais instituições são benéficas, é necessário identificar os motivos pelos quais as más instituições tendem a persistir e também o que fazer para mudar a situação. Sendo que as instituições são exógenas e grande parte destas é determinada pelas ações dos políticos, é plausível imaginar que o problema esteja no próprio processo politico. Os políticos, ao buscarem seus objetivos próprios, tendem a favorecer grupos de interesses em troca de benefícios como votos e doações para campanhas. Tal situação é benéfica para o politico que consegue maximizar suas chances de se eleger e também para os grupos de interesses que ganham proteção contra competição, mas para a sociedade como um todo o resultado é perverso.
Para o caso brasileiro, acredito que algumas mudanças precisam de prioridade:
• O sistema eleitoral distrital: nesse sistema, os distritos eleitorais são bem menores que os estados e os políticos são eleitos por maioria. Ganha quem recebe mais votos na zona do Distrito e ponto final. Portanto, ninguém se elege com quantidade pífia de votos, o eleitor precisa analisar um número bem menor de candidatos, as campanhas são mais baratas (pois se restringem ao Distrito) e, mais importante, eleito e eleitor ficam muito mais próximos um do outro. Esta aproximação aumenta a fiscalização e, consequentemente, os incentivos do eleito a agir em concordância com as vontades dos eleitores. No sistema Distrital, o político não precisa conquistar o apoio de grandes grupos dispersos, mas sim do eleitor local, do seu distrito. Em vista disto, a influência de associações de classe, de grupos de interesse dispersos, sobre sua plataforma político-eleitoral é menor do que no caso da votação via sistema Proporcional. Uma consequência direta disto é que os grandes gastos públicos que beneficiam grupos amplos, mas dispersos (como, por exemplo, o gasto previdenciário) são menores nos países que adotam este sistema eleitoral.
• Agências reguladoras independentes: deve-se privatizar tudo que for possível, pois o mercado é sempre mais eficiente que o estado. No entanto, o governo deve-se preocupar em manter sua agenda clássica, isto é, deve se preocupar em corrigir as falhas de mercado. O poder de monopólio é perverso para a sociedade e deve ser controlado, mas não gerido pelo estado. Para tanto, devem ser criadas agências reguladoras independentes do governo, isto é, devem ser órgão de estado e não de governo. A agência reguladora deve ter independência para buscar a conciliação da manutenção dos lucros privados com preços não abusivos aos consumidores.
A literatura sobre o assunto é muito vasta, mas as conclusões são comuns. É claro o que devemos fazer para que o Brasil se torne um país rico, mas é também claro que as forças contrárias são muito fortes.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Mankiw - Contradição!

Carta de Mankiw a Bernanke.
"Of course, you have big shoes to fill. Alan Greenspan is widely acknowledged to
have been a superb Fed chairman. Alan Blinder and Ricardo Reis (2005) may even prove
right in their judgment of Greenspan as “the greatest central banker who ever lived.” His tenure exhibited low and stable inflation, as well as robust and stable growth in
production and employment."

As vezes não da para entender o Mankiw!

EUA no caminho da servidão?

Eu acredito que sim. Os americanos estão fazendo escolhas erradas e o medo de Hayek pode se tornar realidade.

Russel Allen cover.

O cara é realmente muito bom. Claro que ainda está distante do Russel, mas vale a pena ver.


Faltou os drives poderosos, a marca registrada do Russel!!!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

O tamanho e o crescimento dos governos.

Fiz esse texto para minha aula de Finanças Públicas.

É fato inegável que os governos têm crescido nas ultimas décadas, principalmente depois da 2ª Grande Guerra Mundial. Nos Estados Unidos, por exemplo, o orçamento governamental como proporção do PIB era de apenas 10% até o início da 1ª Grande Guerra Mundial, em 1949 o orçamento já beirava os 25% do PIB. O resto do mundo também experimentou esse fenômeno. A partir dos anos 60, a Europa conheceu um aumento absurdo do tamanho de seus governos, que em alguns países ultrapassou os 50% do PIB.
Os mesmos motivos que explicam a necessidade de existência do governo devem também explicar seu aumento no século XX. Vamos analisar alguns:
• Corrigir falhas de mercado: qualquer livro de introdução à economia tem um capítulo dedicado a explicar em quais circunstâncias os mercados podem falhar. O crescimento, como proporção do PIB, do governo pode ter acontecido porque os mercados começaram a falhar mais com o aumento da complexidade da economia. Essa hipótese parece coerente, mas não podemos subestimar a capacidade do mercado em se sofisticar, se fizermos isso estaremos cometendo o mesmo de erro de Marx.
• Preferência dos votantes: é a explicação mais básica. Estando em um ambiente democrático, se os governos são maiores que antes é porque a população mudou de preferência.
• Aumento da renda: poderia acontecer se a elasticidade-renda da demanda por bens públicos fosse maior do que um. Teoricamente essa hipótese não é robusta, pois a medida que os indivíduos ficam mais ricos é natural que dependam menos do governo e de seus serviços. Isso ocorre por que aumentos da renda diminuem os custos de oportunidade e assim as pessoas aumentam suas opções e tendem a preferir os serviços privados aos serviços públicos. Testes estatísticos também refutam essa hipótese, na verdade parecem indicar que o que ocorre é exatamente o contrário, a demanda por serviços públicos é maior em países pobres.
• Efeito Baumol: os custos dos serviços públicos tendem somente a aumentar. Na verdade, o problema é mais complexo. Por exemplo, o custo de atendimento ao paciente médio tem aumentado constantemente ao longo dos tempos. Esse é o efeito Baumol que faz os governos aumentarem, mas essa análise esta incompleta. Os custos aumentam porque o bem oferecido não é o mesmo, é melhor. O custo, hoje, de um atendimento da qualidade do ano de 1960 é muito menor do que era na época, há ganhos de produtividade se mantermos a qualidade do atendimento constante. Os custos por paciente sobem porque a saúde é um setor de capital humano intensivo não importando o nível da tecnologia existente, o avanço desta juntamente com os avanços na qualidade dos profissionais da medicina melhoram a qualidade do atendimento médio, mas fazem os custos aumentarem. O mesmo é válido para a segurança pública.
• A demanda por distribuição de renda: há diversos estudos que demonstram que a renda relativa é mais importante do que a renda absoluta para determinar o bem estar dos indivíduos, em outras palavras, as pessoas preferem que todos estejam na merda a que alguns prosperem e outros não. A hipótese de que o governo cresce porque a demanda por redistribuição cresce é plausível, pois qualquer ação do governo tem caráter redistributivo, mas não está claro a direção da causalidade.
• Atuação de grupos de interesse: essa hipótese vem da regra democrática de decisão por maioria aliada ao fato de que os custos das ações públicas são dispersos. Pensando em uma economia com 100 agentes, se 51 destes desejam uma obra e 49 não, a obra será realizada e o custo será rateado entre os 100 agentes mesmo que somente 51 se beneficiem. Essa lógica de custos dispersos levam os grupos de interesse a se organizarem para buscar ações que lhes sejam benéficas, dividindo os custos com toda a população. A atuação dos vários grupos de interesses faz o governo aumentar porque o numero e o poder desses grupos aumenta conforme a economia se torna mais complexa.
• Burocracia: há intermediários entre as decisões politicas e provisões dos serviços públicos. Os burocratas são agentes independentes do governo que possuem seus próprios interesses, maximizar a verba para seu setor, e nem sempre prezam pela eficiência econômica. A busca por maiores orçamentos pode levar ao aumento do tamanho do governo.
• Ilusão fiscal: é a hipótese de que o governo pode enganar os cidadãos sobre o real tamanho do governo. O Governo pode se financiar por divida e não somente por impostos. Sendo assim, as pessoas, por não terem os impostos aumentados, podem ter a falsa impressão de que o governo está do mesmo tamanho. Essa hipótese depende da transparência das contas do governo e também se os agentes atuam por expectativas racionais.
• Sufrágio universal: essa é talvez a variável mais importante que determina o crescimento do governo. Quanto mais universal é o voto, maior o número de pessoas de baixa renda votando, e são exatamente esses os que demandam um governo maior. Usando o modelo do eleitor médio, a expansão do voto traz o eleitor médio para demandar maiores orçamentos públicos. Outro fato importante é a expansão do voto às mulheres, estas tendem a demandar maiores orçamentos públicos se comparadas com os homens de mesma renda. Isso ocorre porque as mulheres têm menos qualificações que os homens devidos às outras atividades socialmente exercidas pelas mulheres como, por exemplo, cuidar da casa e dos filhos. O casamento traz mais custos de oportunidade para as mulheres do que para os homens.


As razões apresentadas acima são as encontradas na literatura clássica sobre crescimento de governos. Vou apresentar agora as minhas teorias sobre o assunto:
• O surgimento do Keynesianismo: é inegável que a teoria de Keynes deu suporte para um governo maior. Antes disso havia muita fé no mercado e o governo era pequeno porque as pessoas demandavam o mercado. Com a Teoria Geral de 1936, o aumento da participação estatal na economia foi ganhando forças, pois além dos argumentos em favor da intervenção estatal, a economia mundial passava por uma época de crise e sendo que o ser humano adora se isentar de erros, o mercado foi visto como vilão, isto é, a culpa de todas as mazelas do mundo é do livre mercado. Além da fundamentação teórica frágil, a teoria keynesiana potencializou o poder dos políticos em intervir na economia, estes que há muito tempo desejavam se armar das forças econômicas para atingir seus objetivos próprios, o máximo número de votos e manutenção poder. Essa janela aberta aos interesses políticos em detrimento dos interesses econômicos é, em minha opinião, o pior legado deixado pelo keynesianismo. A coordenação econômica ganhou forças nas décadas posteriores e a população, com sua visão míope, demandava cada vez mais intervenção estatal acreditando que o estado pode ser mais eficiente que o mercado. Vale lembrar que a guerra mundial ocorrida no período também foi essencial para a disseminação das teorias de Keynes. O esforço de guerra foi tido com um sucesso, pois retirou a economia americana da recessão. O problema é que o esforço de guerra é a única situação em que é realmente desejável a coordenação pelo governo, já que em tempos de paz, coordenar todas as atividades da economia para os mais variados fins não é tão simples como quando se tem apenas um objetivo, produzir o máximo de bens bélicos. Minha teoria nunca foi testada empiricamente, mas alguns há alguns fatos que a fortalecem. Por exemplo, as series temporais sobre o crescimento dos governos mostram que essa tendência de crescimento se reverteu durante os anos 70 e 80 e foi nessa mesma época que economistas como Robert Barro, Eduard Prescott, Robert Lucas e Milton Friedman lideraram a revolução novo-clássica que vinha para derrubar o keynesianismo do mainstrean da economia. Fenômenos com a estagnaflação ocorrida nos anos 60 eram impensáveis dentro da moldura keynesiana e a resposta dessa escola aos problemas só pioravam a situação. Duas teorias foram fulminantes ao keynesianismo: a teoria das Expectativas Racionais e a hipótese da taxa natural de desemprego. A revolução novo-clássica restabeleceu a fé nos mercados e desmitificou a visão romântica da atuação dos governos na economia. É claro que casualidade não implica causalidade, mas é no mínimo uma coincidência interessante.
• A criação dos Bancos Centrais: durante todo o padrão ouro clássico não houve crises fiscais graves nos países centrais, pois os governos não podiam financiar seus gastos a partir de emissão monetária, isto é, tendo como lastro a quantidade de ouro, o governo estava restringido quanto à emissão monetária. Sendo então que os governos não tinham controle da oferta monetária, eles eram obrigados a manter posições fiscais robustas. Com a criação do Banco Central dentro de um sistema de reservas fracionárias, os governos passaram a ter um financiador para suas extravagâncias fiscais. Na necessidade de recursos podia-se agora ordenar que o tesouro emitisse títulos e ordenar que o Banco Central aumentasse a oferta de moeda e em um passe de mágica lá estava o governo financiado. Ainda que o financiamento não fosse inflacionário por meio de vendas diretas ao público, ocorria um aumento do governo em detrimento do setor privado. Nos Estados Unidos, por exemplo, o FED foi criado em 1913 e até essa data o orçamento do governo como proporção do PIB era menor que 10%. Na década de 1920 ocorreu uma expansão monetária forte e também um aumento do tamanho do governo. Um exemplo de como o Banco Central pode servir aos interesses dos políticos em aumentar o orçamento público pode ser econtrado no Brasil nos últimos meses. Os gastos públicos cresceram 19% e estavam pressionando a capacidade produtiva e consequentemente gerando inflação, mas restou ao BACEN controlar a inflação aumentando os juros e o compulsório. Apenas a expansão fiscal já tem o efeito perverso do crownding out que causaria um aumento dos juros, sendo que o BACEN teve que aumentar os juros para combater também a inflação, o investimento e o consumo privado tiveram que diminuir. O que aconteceu foi que o governo se expandiu deixando os efeitos peversos disso para serem controlados pelo BACEN, ou seja, deixou para este último o trabalho sujo, pois a inflação era de cunho fiscal e foi controlada por retração monetária. O BACEN não tinha escolha, seu objetivo é garantir o pleno emprego dentro das metas de inflação e foi isso que ele fez, mas como aconteceu no Brasil, os governos podem se aproveitar de seus Bancos Centrais para se expandir.
Pretendo um dia testar minhas hipóteses.


A literatura sobre o crescimento dos governos mostra que cada país tem sua especificidade quanto ao porque seu governo cresceu. Na Suécia e no Reino Unido o governo parece ter crescido pela maior demanda de um governo maior, ou seja, foi determinada por condições de demanda de ações públicas. Canada, França e EUA parecem ter crescido devido a aumentos da oferta de serviços públicos. Em países como Austrália, Holanda e Noruega não é possível identificar qual lado foi mais forte. A literatura mostra um fato interessantíssimo, quando os eleitores podem ter controle direto das decisões públicas, por meio de referendos, o governo tende a ser menor. Toda essa discussão é importante porque o tamanho do governo é uma das regras do jogo econômico e essas regras influenciam o resultado. Respostas importantes podem advir da análise do tamanho e da atuação dos governos.